Notícia

Valongo 'assustou' líder enquanto houve pilhas

Dec 10, 2015

O Benfica venceu esta quarta-feira o Valongo por 5-2 e ampliou para quatro pontos a vantagem sobre o segundo classificado, Oliveirense.

Em jogo em atraso da 9ª jornada do Nacional da I Divisão, o Benfica recebeu o Valongo ciente que as facilidades das duas últimas recepções aos valonguenses (a culminarem com vitórias por 12-0 e 10-0) dificilmente se repetiriam. Mas a boa prestação do Valongo foi muito para além do simples “incómodo”, pregando, como diria o treinador Paulo Pereira no final – com Pedro Nunes a concordar -, um “valente susto ao Benfica durante 35 minutos”.

João Rodrigues, a contas com uma lesão, voltou a não ser opção no Benfica.

O Benfica entrou com mais posse de bola mas o primeiro sinal de perigo foi para os visitantes, num remate de Xavier Cardoso ao poste, a deixar o aviso para muitas bolas aos ferros de um e outro lado.

Os encarnados não conseguiam imprimir velocidade ao jogo e as oportunidades de golo escasseavam, num registo bem diferente do habitual na Luz, com muito mérito para a teia montada por Paulo Pereira mas também muito demérito do Benfica, a tardar a encontrar soluções.

Ruben Pereira assinou os dois golos do Valongo

O Valongo tem um conjunto renovado, com muitos jogadores jovens, mas também com muitas soluções. Prova disso deu o seu treinador quando a meio da primeira parte trocava quase de uma assentada três jogadores, restando Henrique Magalhães do grupo que vinha a dar boa conta de si. E o Valongo não só manteve a bitola como ainda expressou uma excelente primeira parte em golos.

A oito minutos do intervalo, Nicolía fazia soar o poste da baliza à guarda de Leonardo Pais no que poderia ser o “toque a despertar” dos encarnados. Mas na saída rápida para o ataque, com a defesa encarnada descompensada, Rúben Pereira fez o 0-1. E quatro minutos depois, o mesmo jogador fez o 0-2, sem que se vislumbrasse uma verdadeira reacção encarnada.

Marc Torra deu início à 'remontada', de grande penalidade

Os dois golos de desvantagem obrigaram o Benfica a “correr” mas com pouca objectividade. O aumento de ritmo dos encarnados valeu mais uma bola ao ferro, num desvio de Marc Torra a três segundos do intervalo, mas a vantagem de dois golos dos forasteiros manteve-se e justificava-se.

A etapa complementar começou como acabara a primeira, com um remate de Marc Torra ao ferro, e seria mesmo o avançado catalão a dar início à reviravolta encarnada com a transformação em golo de uma grande penalidade. A pressionar mais alto e a impor um ritmo mais forte, o Benfica chegaria à igualdade apenas dois minutos depois, com seis decorridos na segunda parte, num remate cruzado da direita de Nicolía.

Nicolía bisou

Dois azuis marcam depois a evolução da partida.

Aos dez minutos, a finalizar os 35 que Paulo Pereira referiu como de “susto” para os encarnados, Tiago Rafael foi excluído mas nem Rúben Pereira – letal na primeira parte - conseguiu concretizar o livre directo nem o Valongo conseguiu aproveitar a superioridade numérica durante dois minutos. Só com três jogadores de pista, o Benfica mostrou que fisicamente ainda tinha muito mais para dar que o seu adversário.

A nove minutos do final, o azul foi para Hugo Azevedo. E Nicolía não só não perdoou, fazendo o 3-2, como fez o primeiro de três golos do Benfica em pouco mais de minuto e meio. Jordi Adroher deu as outras duas machadas nas aspirações de um adversário já esgotado.

Jordi Adroher, com dois golos num minuto, sentenciou o encontro

Com o conforto da vantagem e o ânimo da reviravolta, o Benfica impunha um ritmo demasiado forte para um Valongo que mostrou excelentes argumentos enquanto as pernas aguentaram. Adroher não transformou o livre directo da 10ª falta contrária que agravaria um castigo que já era pesado para o que o Valongo foi fazer à Luz esta quarta-feira.

No final da partida, Paulo Pereira revelava-se contente com a prestação da sua equipa, pese “as pilhas” terem acabado cedo. O técnico campeão nacional em 2013/14 apontou alguns erros nos golos encarnados mas atribui-os ao cansaço dos jogadores de um grupo que ainda tem muito para dar.

Pedro Nunes não estava satisfeito com a prestação da sua equipa, em particular na primeira parte. Sem retirar mérito ao Valongo, até pelo contrário, o treinador vincou que este será um campeonato muito complicado. Mesmo afirmando que o Benfica dificilmente será surpreendido, Pedro Nunes recusa-se a alinhar numa ideia de que este campeonato possa ser “facilmente” conquistado pelo clube da Luz.

Com mais uma vitória, o Benfica continua o seu percurso 100% vitorioso no campeonato e recebe na próxima jornada – a 19 de Dezembro – o FC Porto, terceiro, a seis pontos dos encarnados. O Valongo desceu para o sétimo lugar, em igualdade pontual com o Sporting mas desvantagem no confronto directo, e desloca-se na próxima ronda a Oliveira de Azeméis.

Já este fim de semana, ambas as equipas têm compromissos europeus, num duelo luso-italiano. O Benfica recebe o Bassano e o Valongo viaja até Itália para defrontar o Forte dei Marmi, em jogos a contar para a quarta jornada da Liga Europeia.

Jogos relacionados

SL Benfica
5 : 2
9 Dez 21h00
AD Valongo

Provas relacionadas

Campeonato Nacional da I Divisão - Campeonato
Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade