Dérbi dos dérbis deu empate

Dérbi dos dérbis deu empate

Sporting e Benfica fecharam a ronda inaugural de mais uma edição do Melhor Campeonato do Mundo da melhor maneira, com um jogo bem disputado, de forma correcta, e com excelentes momentos, que terminou com a igualdade a três e a divisão de pontos.

Antes da partida, o Sporting homenageou Chana, uma das figuras maiores do seu Hóquei em Patins, campeão europeu em 1977 na “Equipa Maravilha”
Antes da partida, o Sporting homenageou Chana, uma das figuras maiores do seu Hóquei em Patins, campeão europeu em 1977 na “Equipa Maravilha”

Para esta temporada, haverá sempre uma curiosidade a marcar os jogos de leões e águias. Com planteis com mais de 10 jogadores, alguém terá de ficar de fora, e a fava calhou desta feita a Miguel Vieira nos encarnados e aos reforços Gonzalo Romero e Raul Marin nos verde-e-brancos, com Paulo Freitas a apostar no dez que se sagrou campeão nacional.

Mas foram os “vice” que entraram melhor. Logo no primeiro minuto, Albert Casanovas rematou de muito longe e – com Adroher a “atrapalhar” - surpreendeu Ângelo Girão para o tento inaugural. O único reforço para esta temporada entre os 10 jogadores em pista, mostrou desde cedo uma das armas que aporta ao Benfica, com remates que podem pedir o desvio – por exemplo, de Adroher, num entendimento que vem da selecção campeã da Europa e do Mundo - , e não se coibiria de a usar mais vezes.

Albert Casanovas inaugurou o marcador
Albert Casanovas inaugurou o marcador

O golo deu confiança aos Benfica e intranquilidade ao Sporting. Pedro Nunes apostou em Valter Neves e Albert Casanovas para a rectaguarda e entregou a condução de jogo a Diogo Rafael, que correspondeu bem. Os encarnados criavam ocasiões de golo, mas Ângelo Girão segurava a sua equipa na partida.

Diogo Rafael foi o ‘maestro’ na primeira fase do jogo
Diogo Rafael foi o ‘maestro’ na primeira fase do jogo

Aos 10 minutos, Paulo Freitas promoveu as primeiras alterações, com a entrada dos aguerridos João Pinto e Pedro Gil, que trouxeram mais agressividade na tentativa de recuperar a bola. No entanto, trocando os dois jogadores que mais procuravam o golo – Diogo Rafael e Jordi Adroher – por Nicolía e Ordoñez, o Benfica continuaria por cima.

Os dois internacionais argentinos perderam parte significativa da pré-temporada, mas entraram bem, particularmente com Ordoñez muito rematador, a procurar insistentemente o golo… que Girão evitaria sempre.

Girão manteve os leões no jogo, numa primeira parte em que as águias estiveram melhor
Girão manteve os leões no jogo, numa primeira parte em que as águias estiveram melhor

O intervalo chegava com uma vantagem tangencial para os encarnados no marcador e a partida recomeçava um pouco na mesma toada, ainda que com um Sporting em crescendo. Quando, aos oito minutos e meio, Adroher, num grande gesto, levantou a bola para colocar sobre Girão, o segundo golo encarnado – e uma vantagem de dois golos - já não seria tão justificado como se tivesse acontecido na primeira metade.

A vencer por 0-2, o Benfica vincou ainda mais uma faceta mais expectante, que já mostrara na primeira parte do jogo. Três minutos depois, Caio reduzia para 1-2, mas nem tal fez mover – para a frente – a convicção encarnada.

Caio reduziu
Caio reduziu

Recorrendo a todos os seus jogadores de pista, Paulo Freitas conseguia, com a rotação, uma velocidade que o Benfica, sem usar Miguel Rocha e Xavi Cardoso, não lograva acompanhar, por condicionalismos físicos naturais dos arranques de temporada.

Em comparação com as ideias de jogo da pretérita temporada, era um Sporting à Benfica e um Benfica à Sporting. Mais ofensivos, eram agora os leões que viam o guarda-redes adversário erguer-se como um “muro”, com Pedro Henriques a protagonizar um punhado de excelentes defesas. Mas, a oito minutos e meio do fim, não conseguiu deter o remate de Pedro Gil.

‘Retribuindo’ o que Girão fizera na primeira parte, Pedro Henriques brilhou na segunda, na fase de maior acosso leonino
‘Retribuindo’ o que Girão fizera na primeira parte, Pedro Henriques brilhou na segunda, na fase de maior acosso leonino

O campeoníssimo espanhol de 38 anos até perdeu praticamente toda a pré-temporada depois de uma cirurgia no final da última época, mas mostrou o vigor físico e a vontade que sempre o caracterizaram. E voltaria a ser decisivo.

No entanto, apesar do Sporting estar melhor em pista, foi pouco tempo que o Benfica não esteve a vencer, com Nicolía a recolocar os encarnados na frente, meio minuto depois de Gil ter reposto a igualdade. De facto, nos 50 minutos de jogo, o Benfica só não estaria à frente do marcador pouco mais de quatro minutos e meio… incluindo os três minutos até ao apito final, que é quando o resultado conta.

Num jogo correcto, houve apenas um azul e três das agora temidas ‘advertências verbais’ a registar
Num jogo correcto, houve apenas um azul e três das agora temidas ‘advertências verbais’ a registar

Antes, nem Sporting, nem Benfica lograram marcar de bola parada. Primeiro foi Caio a desperdiçar uma grande penalidade, com Pedro Henriques a estar particularmente bem nas duas tentativas de recarga, depois Adroher, não conseguindo iludir Ângelo Girão num livre directo na sequência de um azul (com destinatário errado?) a Vítor Hugo.

O azul deu dois minutos de superioridade numérica às águias, mas o momento foi muito mal aproveitado, sendo os momentos de maior frisson aqueles em que Pedro Gil saía em contra-ataque. Sobrevivendo com uma desvantagem mínima ao castigo a Vítor Hugo, Paulo Freitas pediu um desconto de tempo a três minutos e meio do final, com 8-8 em faltas no marcador. No regresso ao jogo, Pedro Gil fez o 3-3 num remate fortíssimo de meia distância.

Eternamente jovem, Pedro Gil bisou e garantiu a igualdade final
Eternamente jovem, Pedro Gil bisou e garantiu a igualdade final

O jogo vivia momentos mais intensos, com a acesa disputa de cada bola, mas o fantasma da 10ª falta. Quando subiu ao marcador a igualdade a nove em faltas, Pedro Nunes pediu o desconto de tempo. Faltava jogar pouco mais de um minuto e os encarnados sairiam com a posse de bola. O Benfica trocou bem a bola, mas não encontraria nenhuma brecha no bloco defensivo leonino. Gorada o plano das águias, ainda houve tempo para um remate a cada uma das balizas, mas o resultado não se alteraria.

O dérbi dos dérbis terminou assim com a divisão de pontos, num resultado que repete o da temporada passada. Na próxima jornada, em busca da primeira vitória, o Benfica recebe o Tomar, enquanto o Sporting se desloca a Riba d’Ave. Mas tal acontecerá a meio da semana, no dia 24, dado que no próximo fim-de-semana têm início as competições europeias.

AMGRoller

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia