A Taça mais equilibrada

A Taça mais equilibrada

Tem lugar este fim-de-semana em Vila Franca de Xira a 42ª edição da Taça de Portugal e é uma das mais equilibradas de que há memória. A esta fase decisiva chegam quatro dos seis primeiros classificados do Nacional da I Divisão e quatro das cinco equipas com mais triunfos na prova.

Óquei Clube de Barcelos

Foi um Óquei a recordar outros campeonatos o que se apresentou esta época. Sob a batuta de Paulo Freitas e com um grupo jovem – com poucas mexidas e apenas um ano mais experiente do que na época anterior – os barcelenses chegaram à última jornada com hipóteses de chegar ao terceiro lugar (terminariam em sexto) e chegaram às meias-finais da Taça CERS.

Barcelos foi o único a roubar pontos ao Benfica no Nacional
Barcelos foi o único a roubar pontos ao Benfica no Nacional

Faltará um título para coroar uma boa época e que seria o quinto na prova da história do Barcelos, depois da última conquista ter acontecido em 2004. Pela frente, não haveria ninguém mais complicado. Ainda que o empate conseguido frente ao Benfica fosse a única “não vitória” do agora campeão nacional, os encarnados surgem fortes e com o objectivo da dobradinha.

Até ao encontro com as águias, os galos venceram pela margem mínima Cucujães (5-6) e Póvoa (3-2), fazendo uma demonstração de força nos quartos-de-final. Em Turquel, foram concludentes, vencendo por 1-5.

Sport Lisboa e Benfica

O novo campeão nacional encontra o Barcelos, a “nódoa” num percurso praticamente imaculado na I Divisão. E não é só pelo empate arrancado a ferros pelos encarnados (um 5-5 nos segundos finais) em Barcelos. Mesmo na Luz, a vitória encarnada por 6-4 não foi fácil e só foi garantida na recta final do encontro.

Na edição deste ano da Taça, o Benfica cilindrou os seus adversários, todos de divisões inferiores. HC Vasco da Gama (1-10), Alcobacense (1-11) e Juventude Pacense (4-11), mesmo jogando perante o seu público, foram obstáculos fáceis de ultrapassar.

Jogo na Luz sorriu às águias
Jogo na Luz sorriu às águias

Detentor da Taça e já consagrado campeão nacional, a equipa de Pedro Nunes procura na Taça uma vitória consecutiva que lhe escapa desde 2002 e uma dobradinha que teima em fugir desde 1995. Conta 14 títulos na prova rainha, tantos como o FC Porto.

A última dobradinha data de 2013. O Porto sagrou-se campeão e triunfou na final da Taça frente à Oliveirense (em Barcelos).

União Desportiva Oliveirense

A Oliveirense está a chegar ao fim de uma época atípica. No último defeso apostou forte com a incorporação de Xevi Puigbi e Albert Casanovas – figuras na forte OK Liga – mas a escolha de Vítor Fortunato como treinador acabou por não dar os resultados pretendidos. O campeonato começou com desfechos surpreendentes de uma equipa a que claramente faltava sintonia com o seu técnico.

Na segunda mão da CERS, Girão foi um obstáculo praticamente intransponível para Gonçalo Alves e companhia
Na segunda mão da CERS, Girão foi um obstáculo praticamente intransponível para Gonçalo Alves e companhia

Três derrotas consecutivas em Novembro e Fortunato saiu. Entrou Tó Silva, e tudo foi diferente. Das 13 vitórias em 14 jogos – com uma derrota pela diferença mínima no Dragão Caixa – fez parte a vitória por 7-6 sobre o Porto nos 16-avos-de-final da Taça de Portugal.

No percurso para esta Final Four, a Oliveirense teve depois duas deslocações à casa de equipas da II Divisão. Primeiro o derby com o Cambra (5-7) e depois uma viagem a Tomar (4-6).

A última conquista da Oliveirense data de 2012. Foi em São João da Madeira, frente ao Benfica, numa final que pode ser reeditada esta época.

Para a equipa de Tó Silva, esta meia-final de uma competição que já conquistou em três ocasiões tem um sabor especial. Numa fase da época em que a Oliveirense se afirmava, e depois de vencer no Livramento na primeira mão, o Sporting venceu em Oliveira de Azeméis na segunda mão dos quartos-de-final da Taça CERS e avançou para a Final Four europeia.

Sporting Clube de Portugal

É um Sporting apostado no regresso à glória de outrora que surge em Vila Franca de Xira. Depois da conquista europeia, os leões querem voltar a celebrar internamente.

O Sporting tem quatro Taças na vitrina, datando a última conquista de 1990. Este ano, o percurso foi tudo menos fácil. A Escola Livre de Azeméis, da II Divisão, foi o primeiro adversário e foi ultrapassado com um tangencial 5-6. Depois, em casa, os leões afastaram Juventude de Viana (6-5) nas grandes penalidades com Carlitos a ser herói e o campeão nacional Valongo (4-2), já com a estratégia de bloco coeso que daria também frutos em Igualada.

O bloco defensivo dos leões deu também frutos em Oliveira de Azeméis, para a CERS
O bloco defensivo dos leões deu também frutos em Oliveira de Azeméis, para a CERS

Para o campeonato, a realizar uma boa prestação, o Sporting deslocou-se na primeira volta a Oliveira de Azeméis, onde a Oliveirense procurava recuperar de um início de época pouco condizente com o valor do plantel. E, em fase ascendente, a equipa - já treinada por Tó Silva - venceu por 9-5, com os leões a queixarem-se da arbitragem. Na segunda volta, com o espectro da eliminatória da CERS ainda presente, o Sporting esteve a vencer mas deixou fugir a vitória, chegando a Oliveirense ao 4-4.

A meia-final entre Barcelos e Benfica está agendada para as 15h deste sábado, enquanto a segunda meia-final, entre Oliveirense e Sporting, tem inicio marcado para as 17h. Todos os jogos terão transmissão directa n’A Bola TV.

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
Benfica na final

Benfica na final

Marina Alves