Porto e Benfica em novo duelo: agora a Supertaça

Apenas uma semana depois da final da Elite Cup, Porto e Benfica voltam a encontrar-se para a disputa de mais um troféu. Este sábado, em Barcelos, decide-se a 38ª Supertaça.

Porto e Benfica em novo duelo: agora a Supertaça

As decisões nacionais de 2022 entre equipas da categoria máxima serão todas entre dragões e águias. Em Abril, o Porto derrotou o Benfica na final da Taça de Portugal por 5-1. Em Junho, numa final de play-off a cinco jogos, a equipa de Ricardo Ares garantiu o título de campeão na "negra", com um triunfo por 3-2. Passado um defeso, na Elite Cup, os argumentos de Nuno Resende voltaram a não ser suficientes e o Porto venceu por 4-1. Agora, em Barcelos, joga-se a Supertaça.

Supertaça arrancou em 1983, com triunfo do Sporting. Seguiram-se nove vitórias consecutivas do Porto, entre 1984 e 1992.

Este sábado, a partir das 15h e com arbitragem de Rui Torres e Carlos Correia, Porto e Benfica defrontam-se pela 11ª vez pela prova que homenageia António Livramento, figura maior do Hóquei em Patins jogado e que representou as águias enquanto atleta e os dragões como treinador.

Tem sido uma prova dominada pelo Porto. Se o Benfica soma tantos triunfos (sete) como Óquei de Barcelos (quatro), Sporting (dois) e Valongo (um) juntos, o total de conquistas destas quatro equipas (14) fica ainda muito aquém do pecúlio azul-e-branco de 23.

Os últimos triunfos de Porto e Benfica tiveram, curiosamente, a mesma "vítima". A Oliveirense já esteve seis vezes na Supertaça, mas nunca venceu. Em 2012 esteve na última vitória das águias e, em 2019, na última edição da prova realizada, no última triunfo dos dragões que, assim, defendem agora - três anos depois - o troféu.

O último duelo pela Supertaça

Este será o 11º duelo pela Supertaça entre Porto e Benfica, tendo os dragões ganho em oito ocasiões e as águias em duas. Três dos duelos foram a um só jogo - como se decide desde 2006, antes era a duas mãos -, em 2009 e 2016 ganhos pelo Porto e em 2010 ganho pelo Benfica.

O último encontro na Supertaça entre as duas equipas (de longe) mais tituladas do Hóquei em Patins nacional aconteceu em 2016, na Mealhada.

Então, com Guillem Cabestany e Pedro Nunes ao leme, o Porto venceu por estonteantes 13-7, naquele que passaria a ser o jogo com mais golos da história da prova, superando os 17 do 13-4 do Benfica ao Sporting na primeira mão em 1995 (que persiste como o jogo com maior diferença de golos) e, nos duelos entre dragões e águias, os 16 do 12-4 da segunda mão em 2002.

Dos 23 troféus do Porto, oito foram frente ao Benfica e dois foram conquistados por "falta de comparência". Em 1985, faltou o Sporting e, em 1996, não esteve o Óquei de Barcelos.

Desse embate com 20 golos, podem repetir o duelo Reinaldo Garcia, Gonçalo Alves, Rafa e Telmo Pinto pelo Porto e Diogo Rafael e Carlos Nicolía pelo Benfica, sendo que, nos encarnados, os então jogadores Valter Neves e Tiago Rafael têm agora outras funções na estrutura encarnada, sendo, respectivamente, team manager e treinador-adjunto. Entre as duas dezenas de jogadores chamados a esse jogo, apenas o catalão Ton Baliu descalçou (e neste defeso) os patins.

Os mais titulados

O Porto pode este sábado conquistar o seu quarto troféu nacional consecutivo, aumentando ainda mais o seu pecúlio.

Entre os oficiais Campeonato Nacional, Taça de Portugal, Supertaça (as três principais), Taça 1947 e Elite Cup (mais recentes), o Porto soma 66 títulos e, com a conquista do último título de campeão, passou mesmo a ser o emblema mais titulado nas três principais competições.

A história do Porto na modalidade é ainda mais impressionante se atentarmos que os primeiros títulos foram conquistados em 1983. Ou seja, soma os seus 66 troféus em "somente" 39 anos.

Por alteração regulamentar, os finalistas passam a receber 17 medalhas em vez das anteriores 20 para os elementos das suas equipas.

Com uma história de conquistas mais longa no tempo, tendo conquistado o seu primeiro campeonato nacional em 1951, o Benfica soma um total de 46 troféus nas citadas competições, suplantando os azuis-e-brancos na Taça 1947, dado que as águias ganharam a única edição disputada. A Supertaça é mais uma oportunidade de regresso aos títulos oficiais, que escasseiam depois do título de 2016. Para mostrar, os encarnados só têm mesmo a referida Taça 1947, ganha em Dezembro de 2020, e a internacional Taça Intercontinental em Dezembro de 2017.

Na predominância do azul-e-branco e do encarnado nos troféus em provas nacionais, será relevante a distância ao terceiro mais galardoado. O Sporting conta "apenas" 15...

Visitado e visitante

Em Barcelos, o marcador terá o Porto como visitado e o Benfica como visitante. Porquê? Nas edições anteriores, a ordem do jogo era definido por sorteio, mas o Regulamento Geral de Hóquei em Patins para 2022/23 previa não haver sorteio, determinando que o visitado era o campeão nacional e a outro equipa (vencedor ou finalista da Taça) o visitante. Isto, numa primeira versão.

Numa segunda versão do mesmo regulamento, publicada já com a época iniciada, os pontos 3.4 e 3.5 que passavam a definir quem era visitado e quem era visitante (sem qualquer sorteio) desapareceram...

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny