Paulo Freitas regressa ao João Rocha

Este domingo, o Clássico entre Sporting e Óquei de Barcelos é o 'prato forte' da 8ª jornada. Os barcelenses lideram e são a única equipa sem derrotas, sob o comando técnico de Paulo Freitas. O treinador regressa ao João Rocha seis meses depois.

Paulo Freitas regressa ao João Rocha

A 12 de Junho, Paulo Freitas tinha uma amarga despedida do comando técnico do Sporting, com uma derrota no prolongamento da "negra" das meias-finais do play-off frente ao Benfica. Em conferência de imprensa, dizia-se "preparadíssimo para tudo".

"O que tenciona fazer? Acima de tudo, descansar", lia-se em entrevista publicada n'A Bola a 2 de Agosto, a fechar o capítulo de cinco anos e meio à frente dos leões. Mas Paulo Freitas não teria uma férias muito prolongadas...

Em Setembro, quando nada o fazia esperar, um "arranque em falso" do Óquei de Barcelos levou à saída de Rui Neto. Estava aberta a porta, mais cedo que o próprio esperaria, ao regresso de Paulo Freitas.

Menos de seis meses depois, o técnico de muitas alegrias dos leões regressa este domingo ao João Rocha. E como líder do campeonato.

Os duelos na casa dos leões

Paulo Freitas iniciou o seu percurso como treinador sénior no Académico da Feira, em 2004, seguindo-se a Académica de Espinho de 2006 a 2011, onde treinou, por exemplo, Ângelo Girão. Esteve na I Divisão, mas nesses anos o Sporting andava arredado dos palcos principais.

Finda a etapa em Espinho, regressaria dois anos depois, para um Óquei de Barcelos em busca de outros patamares. Logo na primeira época nos barcelenses, venceu (4-5) um Sporting que lutava pela permanência, às ordens de Hugo Gaidão, em São João da Talha.

Foi a primeira vez de três que defrontou os leões como visitante. Nas duas temporadas seguintes jogou no Livramento, frente ao Sporting de Nuno Lopes, perdendo em 2014/15 (4-2) e empatando em 2015/16 (3-3).

No histórico de duelos entre Sporting e Óquei de Barcelos em que Paulo Freitas interviu, o técnico somou seis vitórias, três empates e duas derrotas. Nos três jogos à frente dos barcelenses, conheceu os três desfechos.

Na temporada seguinte, numa espécie de virar de página, houve novo empate na recepção do Sporting ao Óquei de Barcelos, mas já com Paulo Freitas à frente dos leões, depois do afastamento de Guillem Pérez em Março. A igualdade a seis, ainda em Alverca, quando o Sporting vencia por 6-2 a três minutos do fim, era uma dor de crescimento de uma equipa que viria a conquistar praticamente tudo.

No comando técnico do Óquei estava então Paulo Pereira, que regressaria com os barcelenses mais três vezes à casa leonina, entretanto definitivamente mudada para o novo João Rocha. O Sporting venceria por 7-2 e 4-3 em 2017/18 e 2018/19, mas o Óquei de Barcelos venceu em 2019/20, por 4-5, mesmo privado dos cedidos Alvarinho e Gonçalo Nunes.

Seguiu-se Rui Neto na liderança dos barcelenses, a jogar quatro vezes no João Rocha. Na fase regular, os verde-e-brancos levaram a melhor por 4-2 (2020/21) e 7-4 (2021/22), terminando também a sorrir nos dois jogos do play-off de 2020/21, com um triunfo em prolongamento por 5-3, depois de uma igualdade a três no final do tempo regulamentar, e outro por 4-3, em 50 minutos.

Primeira vez no João Rocha como visitante

Antes de chegar ao Sporting, Paulo Freitas conquistou uma Taça CERS (2016) e deixou os barcelenses na Final Four para conquistar uma segunda (2017), num triunfo já concretizado por Paulo Pereira.

De leão ao peito, o técnico pôs fim a vários "borregos". Venceria dois Campeonatos Nacionais (2018 e 2021), duas Ligas Europeias (2019 e 2021), duas Taças Continentais (2019 e 2021), sendo que, até este defeso, fora o único treinador leonino no João Rocha. E, naturalmente, nunca jogou ao comando de outra equipa naquele privilegiado palco.

Paulo Freitas vai reencontrar o mesmíssimo plantel que deixou em Junho. A única mudança no defeso nos leões foi mesmo no comando técnico.

O regresso a uma casa que foi (só) sua é à frente de um Óquei de Barcelos que ainda não conheceu o sabor da derrota no Campeonato, com seis vitórias e um empate, mesmo com os difíceis testes de Porto, "passado" com o tal empate, no Dragão Caixa, e Benfica, com uma vitória por 3-2 que valeu a subida à liderança.

Resto da jornada

O jogo entre Sporting e Porto abre, a partir das 15h, uma 8ª jornada que será integralmente disputada este domingo e que tem outros pontos de interesse.

Segue-se, às 16h, o jogo entre Murches e Paço de Arcos, num duelo entre duas equipas da Linha que estão abaixo de uma linha mais indesejada, a de água.

A partir das 17h, o Benfica procura retomar o caminho de vitórias com a recepção à Juventude de Viana, enquanto, no Minho, Braga e Famalicense também se defrontam vindos de derrotas.

Com outro sorriso no final da ronda anterior, Porto e Riba d'Ave defrontam-se no Dragão Caixa, com claro favoritismo azul-e-branco, a partir das 18h, perspectivando-se duas boas partidas para fechar o dia.

Com início previsto para as 18h30, um Parede em busca de pontos recebe um Tomar que é 5º e o Valongo recebe a Oliveirense, numa partida que, não fosse o Clássico do João Rocha, seria certamente cabeça-de-cartaz desta ronda.

8ª Jornada

• Sporting vs. Óquei de Barcelos • 4.Dez, 15h • Carlos Correia e João Catrapona

• Murches vs. Paço de Arcos • 4.Dez, 16h • Porfírio Fernandes e Pedro Miguel Sousa

• Benfica vs. Juv. Viana • 4.Dez, 17h • Silvia Coelho e Teófilo Casimiro

• Braga vs. Famalicense • 4.Dez, 17h • Pedro Silva e Manuel Fernandes

• Porto vs. Riba d'Ave • 4.Dez, 18h • Jorge Machado e Rui Torres

• Parede vs. Tomar • 4.Dez, 18h30 • Rui Leitão e Pedro Figueiredo

• Valongo vs. Oliveirense • 4.Dez, 18h30 • Manuel Oliveira e Joaquim Pinto

Classificação

1º Óquei de Barcelos (19), 2º Benfica (18), 3º Sporting (18), 4º Porto (16), 5º Tomar (13), 6º Valongo (12), 7º Riba d'Ave (9), 8º Oliveirense (8), 9º Famalicense (7), 10º Braga (6), 11º Juventude de Viana (6), 12º Murches (4), 13º Parede (4), 14º Paço de Arcos (3)

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny