Braga na Final Four da Taça WSE

O Braga venceu o Igualada e está na Final Four da Taça WSE. Com uma vitória por 5-3 no final do tempo regulamentar da segunda mão, com hat-trick de Vítor Hugo, ficou tudo empatado. Um tiro de Meira desequilibrou para os bracarenses no tempo extra.

Braga na Final Four da Taça WSE

O Braga está na Final Four da Taça WSE, depois de afastar, no prolongamento, o Igualada. É um regresso dos bracarenses à decisão da segunda mais importante prova europeia 11 anos depois.

Em anos consecutivos, o Braga protagonizou duas presenças consecutivas, nas Final Four de 2011, em Vilanova i la Geltrù, sendo eliminados pelo anfitrião nas meias-finais, e de 2012, em Bassano, em que só "caíram" nas grandes penalidades da final, também frente à equipa anfitriã. Falta ganhar...

Dois golos para recuperar

Em desvantagem por dois golos depois do 4-2 da primeira mão, o Braga dificilmente podia desejar melhor arranque de partida, com Vítor Hugo, logo aos dois minutos e meio, a desviar na área para o fundo das redes de Guillem Torrents, um dos cinco arlequins chamados pelo seleccionador Sergi Macià ao Europeu de Sub-23.

Aos 14, Diogo Seixas falha grande penalidade. Meio minuto depois, Aleix Marimon, outro dos jovens valores às ordens de Cesc Fernandez, igualava o jogo num falta em que a coesão da barreira bracarense falhou

A seis minutos do intervalo, Nil Cervera viu azul por falta sobre Tiago Sanches, mas Pedro Mendes atirou ao lado e, mesmo em superioridade, o Braga não conseguia chegar ao golo. Com menos um, o Igualada cometeu a 10ª falta e, desta feita, a quatro minutos do intervalo, Gonçalo Meira não perdoou, colocando de novo os bracarenses na frente.

Apenas um minuto volvido sobre o golo, Meira beneficiou de novo livre directo por azul a Bernat Yeste. Não conseguiu voltar a surpreender Torrents, mas, em superioridade, o Braga foi eficaz não demorando a marcar, por Tomas Korosec.

O golo de "Tommy", para o 3-1, igualava a eliminatória, mas, o que Tommy deu, de certa forma acabaria por tirar... Neste final de primeira parte emotivo, o argentino veria azul, e Gerard Riba, na recarga, batia Nelson Filipe para o 3-2.

Com as emoções à flor da pele, os capitães Diogo Seixas e César Vives viram azul e, ainda antes do intervalo, o Igualada dispôs de uma grande penalidade. Nelson ganhou o duelo com Aleix Marimon e a vantagem tangencial bracarense, ainda insuficiente, mantinha tudo em aberto.

Igualado

A segunda parte começou praticamente como a primeira, com Vítor Hugo, letal na área, a voltar a marcar cedo. Desta feita, para um 4-2 que voltava a igualar a eliminatória.

Aos cinco minutos, Vítor Hugo, de grande penalidade, faria o 5-2 que colocava o Braga na frente da eliminatória muitos minutos depois (esteve a vencer por 1-2 na Catalunha), mas não durou. Logo no recomeço, Aleix Marimon, rematava do meio da sua meia pista para o 5-3.

Com o Pavilhão de Sequeira com um ambiente bem diferente de um habitual marasmo - que é o preço a pagar pelas obras no Parque das Goladas -, o jogo estava vivo e o golo parecia iminente em qualquer baliza. Mas tardaria em surgir.

A oito minutos do fim dos regulamentares 50 minutos, Marc Carol viu o azul, mas nem Korosec de livre directo, nem o Braga com mais um em pista, lograram desequilibrar a eliminatória. A dois minutos do fim, teria o Igualada semelhante oportunidade, com azul a Trabulo. Gerard Riba não marcou, mas a equipa catalã podia ir quase até final em superioridade numérica... e também não marcou. O jogo seguiu para prolongamento.

Decidido num tiro de Meira

No tempo extra, tudo parecia encaminhado para chegar ao descanso sem golos, mas Gonçalo Meira, num remate fortíssimo de meia distância, fazia o 6-3 e voltava a colocar a equipa de Tó Neves na frente da eliminatória praticamente sobre o apito.

O Igualada tinha cinco minutos para reduzir no jogo e voltar a igualar a eliminatória, mas o Braga defendeu estoicamente. Com o passar dos minutos, cada corte era celebrado como um golo, como uma vitória. O Igualada tentaria tudo, mesmo sem guarda-redes, mas a vitória bracarense por três golos - e o apuramento - não escaparia.

Três semifinalistas por decidir

Encontrado o primeiro semifinalista, na noite deste sábado serão encontrados os outros três, em três partidas com arbitragem portuguesa depois do jogo entre Braga e Igualada ter sido dirigido pelo francês Lloic Le Men e o italiano Ulderico Barbarisi.

Pedro Silva e Miguel Guilherme apitarão em Lleida o duelo entre os locais, com Nuno Paiva, e o Bassano de Miguel Viterbo e Francisco Veludo. Pedro Figueiredo e Silvia Coelho estarão em Coutras, onde os franceses, com um 3-3 na primeira mão, procuram confirmar a surpresa frente ao Caldes. E Joaquim Pinto e Porfírio Fernandes viajam até Itália para dirigirem o jogo entre o Follonica e o Voltregà, naquela que, matematicamente, com três golos para a equipa orientada por Sérgio Silva recuperar, será a tarefa mais complicada nesta segunda mão dos quartos-de-final.

Quartos-de-final - 1ª mão

Voltregà 5-2 Follonica • 11.Mar

• Caldes 3-3 Coutras • 11.Mar

Igualada 4-2 Braga • 11.Mar

Bassano 2-1 Lleida • 11.Mar

Quartos-de-final - 2ª mão

Braga 6-3 Igualada (5-3, 1-0 prol.) • 25.Mar

• Lleida vs. Bassano • 25.Mar, 20h

• Coutras vs. Caldes • 25.Mar, 20h30

• Follonica vs. Voltregà • 25.Mar, 21h

AMGRoller Compozito

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
Paço de Arcos vence na abertura da 23ª jornada

Paço de Arcos vence na abertura da 23ª jornada

Virando de 0-2 para 3-2, o Paço de Arcos venceu o Parede na abertura da 23ª jornada e escapou, para já, à descida matemática. O Paço de Arcos deixa o último lugar, à condição, mantém viva uma muito ténue esperança e complica a vida ao 'vizinho'.

Mais uma oportunidade perdida

Mais uma oportunidade perdida

Esta é uma visão do futuro próximo. Acontece uma Assembleia-Geral da FPP, um momento que devia ser fulcral na partilha de visões, de ideias, de salto qualitativo. Mas, na inércia dos participantes, meros espectadores, nada mudará.

Pedro Alves dos Santos

Os gigantes também se abatem

Os gigantes também se abatem

O Valongo é o primeiro a derrotar o Barcelona esta época, depois de 29 vitórias, dois empates e dois troféus. E, na maior prova europeia, os valonguenses são apenas a sétima equipa de sempre (terceira lusa) a vencer os blaugrana como visitante.