Notícia

França rendeu-se cedo e Portugal goleou

Sep 05, 2018

Foto de capa: Marzia Cattini @ WS Europe RH

Depois do primeiro grande jogo deste Europeu – com a Espanha a vencer a Itália por 3-4, num jogo arbitrado pelos portugueses Orlando Panza e Nuno Melo – Portugal e França protagonizaram outro dos embates mais aguardados deste evento. Mas que, competitivamente, acabaria por desiludir.

Gonçalo Gomes, que marcara os dois últimos golos na jornada matinal frente a Israel, manteve o embalo e – num lance individual - inaugurou o marcador frente à França com pouco mais de um minuto cumprido. Os gauleses, sem conseguirem ultrapassar o bloco português, tentavam a sua sorte de meia distância, mas claramente em poupança.

Os golos portugueses foram de Gonçalo Gomes, Lucas Santos (2), Diogo Barata (3), Rodrigo Martins, Miguel Afonso e Ricardo Fallé.

Havia curiosidade de ver a resposta da França, com um grupo reduzido de oito jogadores, a um quarto dia de jogos e a sua postura na véspera de arrancar a decisiva fase final. E, ainda que Portugal fosse pressionante, os gauleses desde cedo se renderam a um resultado adverso, construído com uma inusitada eficácia da selecção das quinas.

Aos quatro minutos, Lucas Santos surpreendeu o guarda-redes adversário, marcando junto ao segundo poste depois de passar por trás da baliza. E, nos remates seguintes, Barata desviou na área para o fundo das redes para o terceiro e Rodrigo Martins fez o quarto. Ou seja, com cinco minutos de jogo, todos os jogadores de pista do cinco inicial português tinham marcado, sem que o guarda-redes “Rafa” Pacheco tivesse tido trabalho.

Ao intervalo, Portugal vencia por 7-0 e ainda só tinha sido assinalada uma falta.

A primeira falta do jogo, para os gauleses, só surgiu passados os 11 minutos jogados. Já Lucas Santos tinha bisado, em mais um momento de pavoneio técnico, para o 5-0.

Apesar da vantagem conseguida, Portugal não descansaria. Miguel Afonso finalizou no coração da área e Diogo Barata ampliou para o inesperado 7-0 com que se chegaria ao intervalo.

Na segunda parte, Portugal foi claramente pensando na exigente fase final que se segue, mas sem abdicar desde logo do ataque.

Aos quatro minutos, Ricardo Fallé fez o oitavo. Um minuto volvido, Lucas Santos perdeu uma oportunidade de livre directo, mas o cartão azul que o levou para o duelo com o guarda-redes francês, permitiu a Portugal jogar em superioridade numérica. E o capitão Diogo Barata fez o nono golo, faltavam jogar 13 minutos. Descansou então Portugal…

A equipa orientada por Nuno Ferrão geriu o esforço e o guarda-redes Rodrigo Vieira foi chamado a intervir mais do que Rafa Pacheco, mas com a mesma eficácia, mantendo a baliza portuguesa inviolada.

Apesar da demonstração de força lusa, a verdade é que o resultado desta partida entre portugueses e gauleses servia apenas para definir a ordem dos jogos na fase final.

Com esta vitória e a vitória no grupo, Portugal começará por defrontar a Itália, esta quinta-feira, seguindo-se a França, na sexta, e, finalmente, a Espanha, no sábado, no jogo que encerra a competição.

O primeiro encontro da França na fase final, será com a Espanha, que certamente não terá as facilidades que Portugal teve.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade