Notícia

Porto contesta castigo... ‘leve’

Feb 08, 2019

O Porto mostrou esta quinta-feira, em forma de comunicado, a sua indignação para com o castigo aplicado ao técnico Guillem Cabestany.

O castigo, que ainda não é público, vem no seguimento de um processo disciplinar anunciado no início de Janeiro relativo à partida com o Benfica, que fora disputada mais de dois meses antes.

Agora, mais de três meses volvidos sobre um jogo polémico em que, no final, aos microfones da TVI24, Cabestany não conteve a sua indignação, é conhecido o castigo. De 10 dias.

Para além da injustificável demora na decisão, o Porto coloca em causa [através do comunicado abaixo transcrito] o timing do castigo pela proximidade do jogo da 17ª jornada com o Benfica. No entanto, de facto, o “afastamento” do técnico catalão só se traduz na ausência do banco na partida com o Paço de Arcos, no jogo de próximo sábado.

Desta feita, Cabestany não estará no banco em Paço de Arcos

O Conselho de Disciplina terá enquadrado o “caso” de Cabestany no Capítulo III (das Infracções Específicas), Secção III (dos Dirigentes, Treinadores, Outros Representantes e Empregados dos Clubes), Artigo 80º (Contra dirigentes da FPP, Associados da FPP e arbitragem) como uma “falta Leve” - que nem justificaria abertura de processo disciplinar -, relativa ao “uso de expressões, desenhos, gestos, de carácter injurioso, difamatório ou grosseiro”, estando previsto para tal uma “suspensão de actividade de três a trinta dias e multa de 10% (dez por cento) a dois salários mínimos nacionais”.

O Porto é actualmente segundo classificado, a um ponto da líder Oliveirense. Este fim-de-semana, os dragões jogam em Paço de Arcos, enquanto a equipa de Oliveira de Azeméis se desloca à Luz. Num período que poderá definir muito da luta pelo título, segue-se o Clássico entre Porto e Benfica, previsto para 20 de Fevereiro, pelas 20h30, após fim-de-semana de jornada europeia.

Comunicado

O FC Porto manifesta profunda estranheza pelo timing da aplicação de um castigo de dez dias de suspensão a Guillem Cabestany, treinador da equipa de hóquei em patins, devido a declarações proferidas a 3 de novembro de 2018, após o jogo frente ao Benfica em Lisboa.

A decisão é conhecida mais de três meses após a realização do encontro e pouco antes da realização do jogo da segunda volta contra o Benfica, agendado para 20 de fevereiro. O processo disciplinar foi instaurado na sequência de uma participação do Comité Técnico-Desportivo de hóquei em patins e uma participação do próprio Benfica.

O FC Porto estranha ainda a duração do castigo imposto a Guillem Cabestany, que está em Portugal desde maio de 2015 e tem tido um comportamento a todos os níveis exemplar, sem qualquer sanção disciplinar anterior. Agora, é punido pela utilização de um par de expressões para catalogar um jogo inqualificável e uma arbitragem, acrescentamos nós, a todos os títulos lamentável, com grande prejuízo da nossa equipa.

O FC Porto lamenta o desenrolar deste processo, que culmina com o afastamento de Guillem Cabestany e de Eurico Pinto, diretor para o hóquei em patins, numa fase importante da temporada. Iremos redobrar a atenção em relação às declarações de outros agentes desportivos.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade