Notícia

Lodi vence 'scudetto' na 'negra'

Jun 15, 2021

O Lodi é o novo campeão italiano, ao vencer na "negra" o Forte por 2-3. Os "giallorossi" venciam por 0-3 com minuto e meio para jogar e o final foi dramático, mas o Forte não evitou a "dobradinha" do rival. #SerieA1

Na "negra" tinha de haver campeão na Serie A1 italiana, sim ou sim. Depois de duas vitórias, o Lodi deixou escapar a vantagem, perdendo duas partidas com o Forte, e a decisão foi em Forte dei Marmi, na casa do melhor classificado - e vencedor - da fase regular.

Como nos anteriores quatro jogos desta final, o Lodi marcou primeiro. E logo por duas vezes nos primeiros quatro minutos, com bis do goleador catalão Jordi Mendez.

Novamente a ter de correr atrás do resultado, o Forte, perante o seu público, procurava fazer o que nunca ninguém lograra na final do play-off italiano, virar de uma desvantagem de dois jogos para o título. Mas a bem organizada equipa de Pierluigi Bresciani conseguiu suster a reacção até ao descanso, mesmo chegando à nona falta - tinha o Forte apenas quatro - a seis minutos do intervalo.

O Lodi faz a "dobradinha", juntando o título de campeão à conquista da Coppa. Os giallorossi bateram o Forte em ambas as finais.

E, na etapa complementar, o Lodi voltou a entrar melhor.

Com pouco mais de um minuto decorrido, "Checco" Compagno ampliou para 0-3 quando o Forte procurava "sacar" a 10ª falta. Cairia apenas um minuto depois, mas Davide Motaran não conseguiu bateu Grimalt.

O Forte de Alberto Orlandi desesperava por um golo e aos 12 minutos tinha nova oportunidade de livre directo, na 15ª falta do Lodi. Mas o capitão Davide Motaran voltou a perder o duelo com Grimalt.

Não havia forma da bola entrar na baliza do guardião argentino e, quando o Forte ganhou uma grande penalidade a nove minutos do derradeiro apito, a aposta de Orlandi foi num inusitado Morgan Antonioni, mas nem a surpresa valeu golo...

"Gigi" Bresciani volta a conquistar o título italiano depois de ter conduzido o agora rival Forte ao "scudetto" em 2016 e 2019.

Com uma tensão crescente, o Lodi também desperdiçaria mais uma bola parada, por Jordi Mendez (já perdera semelhante ocasião por Compagno), quando podia ter definitivamente decidido o jogo. No entanto, o relógio estava a favor da equipa da região da Lombardia, das primeiras na Europa a sentir a pandemia - e de que maneira - na cancelada pretérita temporada.

Quando tudo já parecia resolvido, quase havia golpe de teatro.

O Forte reduziu a minuto e meio do fim por Federico Ambrosio, que bisaria meio minuto depois para a diferença mínima no marcador e com o Lodi a uma falta de conceder novo livre directo. O Forte tentou sem guarda-redes, mas não evitou a derrota...

Com este triunfo, o Lodi iguala os quatro títulos de Roller Monza, Follonica e Forte, mas ainda muito longe dos 20 do Novara ou dos 17 do Triestina. O Lodi conquistou o seu primeiro título em 1981 e depois um bis em 2017 e 2018, ambos sob o comando de Nuno Resende e em duas finais frente a este mesmo Forte.

Numa temporada plena, o Lodi junta a conquista da Serie A1 à conquista da Coppa Italia (em que também bateu o Forte na final), numa "dobradinha" italiana que não acontecia desde 2013, com o Valdagno de Sérgio Silva, Carlos Nicolia e Pedro Gil.

Final

• #1 • Lodi 6-2 Forte [1-0]

• #2 • Forte 2-5 Lodi (2-2, 0-3 gp) [0-2]

• #3 • Forte 5-2 Lodi [1-2]

• #4 • Lodi 3-6 Forte [2-2]

• #5 • Forte 2-3 Lodi [2-2]

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade