Notícia

Coração até ao fim

Nov 18, 2021

Numa reviravolta épica, Portugal venceu a Espanha por 9-10 e posiciona-se para a final, em que estará se vencer Andorra e a Espanha vencer França por mais de dois golos ou se a França pontuar. #Euro

O quarto dia de Europeu, penúltimo da fase de grupos, começou com a França a vencer a Alemanha ficando na expectativa de um desfecho que não fosse o triunfo português frente à Espanha para garantir o lugar na final de sábado.

E as coisas no dérbi ibérico começaram bem para França. E para Espanha. Ignacio Alabart marcou logo no primeiro minuto, num remate com pouco ângulo e com Girão mal batido.

Portugal voltava a entrar a perder, mas apenas minuto e meio volvido, o "tudo por tudo" de Portugal era personificado no oportunismo de João Rodrigues a assinar o empate num livre de canto, rematando contra Malián quando este estava com o stick no ar a pedir interrupção ao árbitro.

Era um início de jogo de nervos, e com golos. Em dois "flashbacks" do dia anterior, um golo em cada baliza. Primeiro, aos cinco minutos, Girão voltou a precipitar-se na mancha a um remate simulado, com Pau Bargalló a marcar ao segundo poste sem marcação. Depois, novamente minuto e meio volvido, Gonçalo Alves, saiu de trás da baliza para marcar junto ao poste como na véspera. Era o 2-2 a 18 minutos e meio do intervalo.

Era um jogo tenso, com as equipas a encaixarem e a equilibrarem-se até em faltas. Garrido e Cabestany, que trabalharam juntos no Porto em 2015/16, mexiam as suas peças, rodando todos os jogadores de pista, mas os resultados tardavam.

Tardaram até seis minutos e meio do intervalo, quando Gonçalo Alves arrancou pela direita, servindo Rafa na área para o 2-3, a primeira vantagem portuguesa na partida. E a Espanha acusou o golo, não conseguindo reagir. A um minuto do intervalo, Panadero cometia a 10ª falta no ataque e Hélder Nunes não desperdiçou o livre directo para o 2-4.

Parecia o concretizar da melhor primeira parte portuguesa. Para além da exibição, nunca Portugal nesta prova tinha marcado quatro golos nos primeiros 25 minutos. Mas a Espanha anularia a dupla desvantagem.

Num livre, Xavi Barroso surpreendeu a equipa portuguesa e Girão, gerando muitos protestos num lance em muito parecido ao que valeu o primeiro golo de Portugal. E, segundos depois, ainda com os protestos à flor da pele, João Rodrigues via o azul e, de livre directo, Pau Bargalló fazia o 4-4.

Emoção até à reviravolta final

Ainda embalados pelo final da primeira parte, e com os portugueses ainda transtornados pela perda da vantagem, os espanhóis voltaram à liderança do marcador ainda não estavam cumpridos três minutos na etapa complementar, com Xavi Barroso a marcar o seu segundo golo no jogo.

Portugal foi atrás do resultado, mas a Espanha nunca se encolheu com a vantagem amealhada. Girão ainda adiou o sexto tento espanhol, em lances isolados de Panadero e Carballeira, mas aos oito minutos, o experiente Panadero chegava mesmo ao golo.

O silêncio apoderava-se do Multiusos de Paredes e nem a instalação sonora se fez ouvir num desconto de tempo pedido. De regresso à pista, Malián viu o azul por um lance duro sobre Hélder Nunes e Gonçalo Alves - na insistência - reduzia de grande penalidade. Com o 6-5, os portugueses voltavam a acreditar, no rinque e nas bancadas.

Quando tudo parecia perdido, Portugal viraria o jogo com três golos nos últimos dois minutos e meio, dois deles, de Rafa, mesmo no derradeiro minuto.

A favor da equipa de Guillem Cabestany estava a vantagem no marcador, mas também a iminência da 10ª falta portuguesa, com a 9ª a ter sido feita ainda na primeira parte... mas tardaria. E Portugal não se fez rogado. A nove minutos do final, de grande penalidade, Gonçalo Alves fazia o seu terceiro no jogo para a igualdade a seis, mesmo antes da 10ª cair, 17 minutos após a nona. Pau Bargalló não desperdiçava o livre directo e o 7-6 desnorteava Portugal, a contestar todas as decisões arbitrais.

Um minuto volvido, num choque, Diogo Rafael via o azul e Pau Bargalló completava um poker para o 8-6. Logo depois, novo azul, a Henrique Magalhães, mas desta feita - com Font chamado a tentar bater Girão - não houve golo. Os portugueses olhavam para o marcador, respiravam fundo e enfrentavam dois minutos de inferioridade... com final feliz. Hélder Nunes ganhava a 15ª falta e, na recarga ao livre directo, reduzia para 8-7 e, instantes depois, reentrava o quinto português.

Após o apito final, Renato Garrido foi expulso por continuados e exaltados protestos.

Com cinco minutos para jogar, tudo parecia relançado, mas a noite estava aziaga para Portugal. A Espanha, por Xavi Barroso, respondia com o 9-7 e o jogador do Porto festejava como se a vitória já não escapasse, apesar dos quatro minutos por jogar. Mas escaparia...

Gonçalo Alves teimava em não se render e disparou de antes do meio campo para o 9-8 e, já no último minuto, Rafa igualava. E, a apenas 13 segundos do derradeiro apito, o mesmo Rafa fazia o 9-10 que transporta todos os sonhos de Portugal e levou, entre outros, Hélder Nunes às lágrimas.

Contas

No outro jogo deste quarto dia, a Itália venceu Andorra por 10-1, com hat-tricks de Federico Ambrosio e Andrea Malagoli, o que alimenta a esperança matemática de apuramento. Mas, vencendo Alemanha, os italianos têm de esperar que Espanha e Portugal percam esta sexta-feira, no derradeiro dia da primeira fase.

Portugal defronta Andorra no derradeiro jogo, em que tudo pode já estar decidido. Se, antes, a França vencer a Espanha, Portugal está apurado para a final com os gauleses. Se França e Espanha empatarem, Portugal junta-se à França no decisivo jogo se pontuar com Andorra. Caso vença a Espanha, Portugal tem de vencer e aí fazem-se contas aos golos. Se a Espanha vencer por mais de dois golos, há dérbi ibérico na final. Se a Espanha vencer só por um, há novo duelo entre espanhóis e franceses no dia seguinte, pelo título.

Fase de qualificação

• Itália 5-8 França • 15.Nov

Espanha 11-0 Andorra • 15.Nov

Portugal 10-0 Alemanha • 15.Nov

• Itália 4-4 Espanha • 16.Nov

• Andorra 1-5 Alemanha • 16.Nov

França 5-3 Portugal • 16.Nov

• Alemanha 2-11 Espanha • 17.Nov

• Andorra 5-5 França • 17.Nov

• Portugal 4-4 Itália • 17.Nov

França 5-2 Alemanha • 18.Nov

Itália 10-1 Andorra • 18.Nov

• Espanha 9-10 Portugal • 18.Nov

• Itália vs. Alemanha • 19.Nov • 15h30

• França vs. Espanha • 19.Nov • 18h30

• Portugal vs. Andorra • 19.Nov • 21h45

Classificação

1º França (10 pontos, 23-15, +8)

2º Portugal (7, 27-18, +9)

3º Espanha (7, 35-16, +19)

4º Itália (5, 23-17, +6)

5º Alemanha (3, 9-27, -18)

6º Andorra (1, 7-31, -24)

5º e 6º lugares

5º Qualificação vs. 6º Qualificação • 20.Nov • 14h30

3º e 4º lugares

3º Qualificação vs. 4º Qualificação • 20.Nov • 17h

Final

1º Qualificação vs. 2º Qualificação • 20.Nov • 20h

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade