A primeira final entre Argentina e Itália

O Mundial de Sub-19 terá uma inédita final entre Itália e Argentina, na primeira vez em que nenhuma selecção ibérica marca presença na decisão. As entradas de Portugal nas duas partes relegaram-na, novamente, 'apenas' para a luta pelo bronze.

A primeira final entre Argentina e Itália

Itália e Argentina são os finalistas do Campeonato do Mundo de Sub-19, numa inédita final em que, pela primeira vez, nenhuma das selecções ibéricas luta pelo ouro. Para os "azzurrini" é mesmo a primeira final nas 10 edições realizadas, não tendo os italianos participado nas duas primeiras.

Más entradas condenam Portugal

A selecção orientada por Alessandro Bertolucci afastou Portugal com particular eficácia na entrada nas duas partes do jogo.

Os italianos nunca tinham vencido os portugueses num Mundial da categoria, mas Giulio Piccoli deu o mote com três golos em cinco minutos e meio. Veria depois azul e Portugal reduziu, por Tiago Sanches, chegando os lusos à desvantagem mínima antes do intervalo, com golo de Diogo Pernas.

Com tudo em aberto, a selecção de Vasco Vaz voltou a claudicar nos primeiros minutos. Geoele Piccoli e Matteo Cardella marcaram dois golos em cinco minutos e, desta feita, seria fatal para as aspirações portuguesas.

Portugal procurou sempre reduzir, mas novo tento - por Miguel Henriques - só surgiria a três minutos do final. E, no desespero luso, caberia a Leonardo Diquigiovanni fechar a contagem em 3-6.

Paixão vence táctica

Na segunda meia final, o Aldo Cantoni encheu (ou transbordou, porque já estava praticamente cheio no primeiro jogo) para empurrar a albiceleste para a final.

Ao intervalo, a Espanha, campeã do Mundo, vencia por 0-2, com golos de Bruno Saavedra e Sebastiá Moncusi, mas não intimidava o muito público presente, num espectáculo sem comparação, principalmente quando falamos de Sub-19.

Bruno Saavedra bisou, mas não foi suficiente.
Bruno Saavedra bisou, mas não foi suficiente.

Após o reatamento, Joaquin Olmos reduziu na sequência de uma grande penalidade e Giuliano Giuliani igualou com apenas três minutos e meio cumpridos, mas a Espanha não se deixava engolir pela reacção ou o ambiente. Num grande gesto técnico, Bruno Saavedra colocou os de Sergi Macià a vencer a 13 minutos do fim dos regulamentares 50 e a Argentina desesperava em busca da igualdade.

O 3-3 surgiria com menos de três minutos para jogar, por Francisco Torres, jogador do Liceo, um dos "europeus" desta equipa ainda muito jovem. Era um prémio para a insistência argentina e em particular para o seu público, mas talvez um castigo demasiado pesado para uma Espanha que encontrou no guarda-redes Juan Manuel Carrion um obstáculo difícil de ultrapassar e ainda atirou uma bola ao ferro nos instantes finais... antes do prolongamento.

Francisco Torres, sobrinho de Leonardo Torres (
Francisco Torres, sobrinho de Leonardo Torres ("Tomba"), levou à pista a paixão do inúmero público presente.

No tempo extra, Francisco Torres voltou a fazer das suas para desequilibrar o marcador e, já sem guarda-redes na baliza espanhola, Giuliano Giuliani - nos italianos do Valdagno, onde outrora brilharam Nicolia e Ordoñez, desde o último defeso - sentenciou a partida. Já com o tempo por jogador a zeros, as muitas garrafas de plástico atiradas para a pista foram a nota negativa num extraordinário momento da modalidade.

Decisões com segundo acto

Este sábado, os jogos pelo ouro e pelo bronze reeditam partidas da fase de grupos. Indicativas ou não, no grupo B a Argentina vencera a Itália por 8-4, podendo tal funcionar como redobrada confiança... que poderá pecar por excessiva. A albiceleste procura o seu segundo título mundial júnior, depois de ter vencido, também na Argentina, em 2005.

No grupo A, Portugal e Espanha empataram a três, prevendo-se muito equilíbrio na sempre ingrata luta pelo 3º lugar. Para Portugal, será a segunda edição consecutiva que está nesta luta, ao passo que a Espanha passará pela primeira vez pela "provação" de tentar uma medalha... mas não a mais desejada.

O duelo ibérico pelo bronze está agendado para as 17h locais (20h em Portugal continental), seguindo-se a final a partir das 19h30 locais.

9º e 10º lugares

Estados Unidos 17-4 México • 4.Nov

• México vs. Estados Unidos • 5.Nov • 9h30

5º ao 8º lugares

• QF1 • Suíça 3-2 Inglaterra • 4.Nov

• QF2 • Colômbia 2-4 Chile • 4.Nov

Meias-finais

• MF2 • Portugal 3-6 Itália • 4.Nov

• MF1 • Argentina 5-3 Espanha (3-3, 2-0 prol.) • 4.Nov

7º e 8º lugares

• Inglaterra vs. Colômbia • 5.Nov • 12h

5º e 6º lugares

• Suíça vs. Chile • 5.Nov • 14h30

3º e 4º lugares

• Portugal vs. Espanha • 5.Nov • 17h

Final

• Argentina vs. Itália • 5.Nov • 19h30

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
«Vir a San Juan é bonito, mas no Aldo Cantoni será muito mais bonito»

«Vir a San Juan é bonito, mas no Aldo Cantoni será muito mais bonito»

Tiago Barros chegou a San Juan no realizar de um sonho que o moveu nos últimos anos. De vida mudada para Andorra, integra a selecção do principado no Campeonato Intercontinental, aspirando a pisar o Aldo Cantoni.