Martinha, da Meca para a Aldeia, de paixão em paixão

Marta Vieira está de regresso a Portugal, para o Turquel. Ainda na Argentina, a jogadora e agente falou sobre a paixão que a levou por três meses e a fez ficar três anos e sobre uma ligação muito própria à modalidade.

Martinha, da Meca para a Aldeia, de paixão em paixão

Seis anos depois de "aventuras" em Espanha e na Argentina, Marta Vieira está de regresso a Portugal. A internacional portuguesa será reforço do Turquel (pelo menos) para o que resta da temporada, aumentando as soluções ao dispôr de Nelson Lourenço no ano de reaparecimento da equipa feminina turquelense.

No "desmoronar" leonino, o Turquel ficou com o indesejado peso de ser visto como o principal adversário de um hegemónico Benfica, eneacampeão nacional. Lograria um empate frente às águias na ronda inaugural da primeira fase do Campeonato Nacional, mas a falta de profundidade no banco seria por demais evidente no jogo da segunda volta.

Agora, a segunda fase, com o alinhamento para o play-off em jogo, arranca para o Turquel a 12 de Janeiro, em Santa Maria da Feira, e o treinador Nelson Lourenço terá uma "peça" extra que lamentava não ter. E que "peça"!

Marta Vieira tem 26 anos e foi uma das figuras do título europeu do Benfica em 2015 - que permanece como o único conquistado por uma equipa "não espanhola" - ao lado de, por exemplo, Rita e Rute Lopes, que agora reencontrará em Turquel. Internacional portuguesa, esteve nos Mundiais de 2012, 2016 e 2017. No estrangeiro, ficou inexplicavelmente longe do radar da selecção nacional, sem oportunidade de "vingar" aquele título mundial que escapou no Chile, por golo de ouro...

Antes de trocar San Juan, a Meca do Hóquei em Patins, por Turquel, a Aldeia do Hóquei em Patins, numa troca de paixão por paixão, "Martinha" esteve à conversa com o HóqueiPT, em pleno Campeonato do Mundo, no palco privilegiado da sala de imprensa do majestoso Aldo Cantoni.

Chegou como reforço pontual para um campeonato pan-americano e a aventura argentina era de três meses, tal como as "provisões" na mala que levava. Veio a pandemia. Veio a família. E três meses, num piscar de olhos, eram três anos.

Já com um condimento de "castelhano" no discurso, Marta estava em casa em San Juan. Importante num Aberastain vice-campeão sul-americano, foi chamada aos comentários do Mundial no reputado projecto "2M al Mundo", num claro reconhecimento da sua integração.

E, no berço de tantos talentos, vai reforçando a sua outra ligação à modalidade, como agente.

A agente

Era difícil ter credibilidade num mercado pouco explorado no Hóquei em Patins. Com apenas 19 anos e sendo "uma mulher num mundo de homens", lançou-se no agenciamento de jogadores. Poderia parecer uma brincadeira, mas quem anda nos corredores do Hóquei em Patins já ouviu certamente falar certamente de Martinha como agente, ofuscando mesmo a sua Seven - Sports Career Management.

Conti Acevedo estava na carteira de Martinha quando veio para Portugal, quando ainda se desconfiava dos guarda-redes argentinos. Mas, chegando em 2018 para o Braga, Conti não tardou a impôr-se e é já visto como um dos melhores do Mundo no seu posto. E Martinha "tem", por exemplo, os três estrangeiros do Montebello, na Serie A1. Ou o chileno Álvaro Osório, melhor marcador do Palafrugell na OK Liga Plata, ou o alemão Max Thiel, que vai brilhando pelo Sandrigo em Itália, tendo estado ambos no recente Campeonato do Mundo.

Álvaro Osório (Chile) e Max Thiel (Alemanha), dois dos jogadores da
Álvaro Osório (Chile) e Max Thiel (Alemanha), dois dos jogadores da "carteira" da Seven - Sports Career Management
AMGRoller

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny