Eurockey Cup numa 'relação séria': 10 anos de paixão

A paixão e o romance comemoram-se, um pouco por todo o Mundo, a 14 de Fevereiro. Na Catalunha, mais a 23 de Abril, no dia de Sant Jordi. No Hóquei em Patins, celebra-se no mês de Outubro. É, há 10 anos, a Eurockey Cup.

Eurockey Cup numa 'relação séria': 10 anos de paixão

Quando, em 2014, Luís Botelho, agora presidente do Hóquei Clube de Braga, disse a um recém-estabelecido HóqueiPT que tinha de estar - sim ou sim - presente na Eurockey Cup, houve alguma desconfiança. O torneio tivera duas edições de Sub-15, com pouco impacto mediático em Portugal, apesar do Sporting ter chegado à final no ano anterior. Ao terceiro ano, estreava-se a competição de Sub-17. O Braga conquistou a prova. E a prova conquistou todos.

Com, por exemplo, António Trabulo e Gonçalo Meira, os bracarenses, liderados por Vítor Silva, venceram e celebraram como campeões europeus. Formalmente, não o eram, mas, não havendo uma competição comparável, a ideia pegou e os clubes portugueses, alguns difíceis de convencer a participar, tornaram a participação - pela conquista de um lugar entre os quatro melhores a nível nacional - num dos objectivos da época.

As equipas lusas ergueriam a Eurockey Cup de Sub-15 entre 2016 e 2021, com Porto, Sporting, Paço de Arcos, Valongo e Benfica a vencerem. E não deixam escapar o troféu de Sub-17 desde 2018, "bisando" Benfica e Oliveirense.

Nos museus dos clubes, ficam os títulos. Para os atletas e equipas técnicas, fica uma experiência inolvidável.

A Eurockey Cup assumiu-se como uma organização diferente, totalmente distinta no panorama do Hóquei em Patins. Profissional. Em que cada um sabe o que tem de fazer. A que horas tem de fazer. Como tem que fazer. É uma máquina impressionante, de muitas peças, em que se sabe delegar, confiar, em que há um sentido de pertença de todos e de cada um.

E, talvez por isso, a prova comemorou 10 anos de sucesso, plenamente afirmados, muito para além do que o mentor Francesc Gil - como nos contou - imaginara. Pela sua demonstrada capacidade organizativa e de liderança, "Cesc" foi indicado para o Comité Europeu. Pelo seu brio, não tardou a ver que não pertencia a um fórum de hábitos instituídos. Trabalha agora com a Federação Espanhola de Patinagem, com quem a Eurockey Cup tem parceria desde 2021, dando também privilegiado palco ao Hóquei em Patins feminino, quer em Sub-15, quer em Sub-17, numa realidade em que dificilmente virá a encaixar a visão portuguesa da modalidade ou do desporto.

A Eurockey Cup nasceu em Vilanova i la Geltrú, no carismático "Les Casernes", com o enorme Isaac Gálvez, palco do Mundial de Sub-20 de 2015 e sede dos World Roller Games de 2019, como apoio. A prova de Sub-17 fixou-se em Blanes, nas pistas Vermelha e Azul de um complexo extraordinário. Depois de, em 2020, a pandemia ter privado os clubes de competições internas e da Eurockey Cup, o evento dos mais novos deixou Vilanova, rumando a Lloret, convenientemente perto de Blanes.

Na celebração do 10º aniversário, o jantar reuniu cerca de 50 pessoas, todas importantes, demasiadas para nomear.

É a Eurockey Cup.

É paixão pela modalidade. Paixão por fazer as coisas bem feitas.

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
Um 'Mercado' por regular

Um 'Mercado' por regular

Ainda a época vai a meio, já são muitos os rumores de movimentações. O 'mercado' prejudica invariavelmente os clubes formadores e as taxas de transferência de atletas ditos 'livres' só recheiam os cofres de associações e federação.

José Pedro Silva