Dragão irreconhecível no arranque da segunda volta

O Porto fechou a 1ª volta do Campeonato PLACARD na liderança. Desde aí, em cinco jornadas, só três equipas somaram menos pontos e os dragões caíram para o 4º lugar, a nove pontos do topo. Estranha-se, mas o play-off vai mantendo tudo em aberto.

Dragão irreconhecível no arranque da segunda volta

Seria difícil de imaginar que um Porto que fechou a primeira volta na liderança com uma vitória sobre o Benfica para um total de 11 na prova, a que se somava apenas um empate - na recepção ao Óquei de Barcelos - e uma derrota frente ao Sporting, na longínqua primeira jornada, fechasse a quinta jornada da segunda metade do campeonato já com duas derrotas e dois empates... e apenas uma vitória. A estes desfechos, somam-se dois empates para a Liga dos Campeões, ficando a tal vitória a "solo" nos derradeiros sete encontros.

A má performance no campeonato dos pupilos de Ricardo Ares, dominadores na pretérita temporada, deixa-os agora em 4º lugar, com 39 pontos, a dois pontos de Óquei de Barcelos e Sporting, tendo os leões ainda um jogo em atraso, e a nove do líder Benfica. Atrás, vêm Valongo e Oliveirense, ambos com 33 pontos.

Assimetrias

No arranque do Campeonato PLACARD, o Porto perdeu no João Rocha por 4-2. Mas depois venceu Braga (3-1), Valongo (3-5), Oliveirense (5-4) e Famalicense (7-0), num total de 22 golos marcados e 12 sofridos, para 12 pontos somados. Agora, "virada" a fase regular, frente aos mesmos adversários, o Porto perdeu com Sporting (4-6) e empatou em Braga (1-1). Depois venceu na recepção ao Valongo (5-4), no que parecia ser o ponto final numa má fase. Afinal, para um Porto que venceu 14 títulos no novo milénio, três deles nas últimas cinco edições concluídas do campeonato, dois jogos sem vencer já se estranha só por si.

No entanto, a deslocação a Oliveira de Azeméis redundou em nova derrota (4-3) e, esta quarta-feira, os dragões deixaram escapar no último minuto uma vantagem de dois golos na pista do Famalicense para um empate a sete.

O "deslize" em Famalicão é paradigmático. O Porto marcou os mesmos sete golos da primeira volta, mas, ao invés de não sofrer nenhum, sofreu sete. E isso explica que nesta segunda volta vá com 20 golos marcados, semelhante aos 22 do arranque do campeonato, mas 22 sofridos, para um quase inacreditável saldo negativo, quando antes sofrera apenas 12.

Para que se perceba quão anormal é o pecúlio pontual de cinco pontos do Porto neste arranque de segunda metade da fase regular, valerá a pena sublinhar que o mesmo só é melhor do que o de Paço de Arcos (três pontos), Parede (um) e Juventude de Viana (zero), três das quatro equipas mais mal classificadas. Uma dezena de equipas fez mais pontos que os azuis-e-brancos.

Próximo desafio em Barcelos

Na próxima ronda, na 19º jornada, em partida agendada para 26 de Fevereiro, o Porto tem uma historicamente complicada deslocação a Barcelos.

Os dragões venceram na última vez que visitaram a "Catedral", para o play-off (2-5), mas antes tinham ali perdido por 5-4, num jogo polémico, na fase regular. Nas temporadas anteriores, o Porto empatou 4-4 (2020/21), perdeu 7-4 (2019/20) e vencera 3-7 (2018/19). Esta vitória, seria mesmo a única na fase regular em sete deslocações desde a chegada de um treinador espanhol, então Cabestany em 2015, tendo ali perdido em 2015/16 (5-4), 2016/17 (4-3) e 2017/18 (3-2).

Esta temporada, as equipas encontraram-se na primeira volta, no Dragão Arena, e deu empate a seis.

Ainda antes do regresso ao Campeonato PLACARD, o Porto tem hipótese de se "redimir" na Taça de Portugal. Joga este sábado, em Torres Vedras, frente à Física, em partida a contar para os oitavos-de-final.

AMGRoller

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
Um mês de suspensão para Gonçalo Silva

Um mês de suspensão para Gonçalo Silva

Gonçalo Silva, árbitro mediatizado pela suspensão por uma publicação nas suas redes sociais sobre uma partida de futebol, foi suspenso por um mês e multa de 380 euros. A federação mostra-se atenta na defesa da ética e fair play.