Liceo e um heróico Voltregà seguem para as 'meias'

Liceo e Voltregà estão nas 'meias' da Taça do Rei. O Liceo não sentiu dificuldades frente ao Caldes, mas o Voltregà foi heróico. A perder por 2-0 ao intervalo, no espírito de uns incansáveis 'Sac i Ganxo', consumou a reviravolta perto do fim.

Liceo e um heróico Voltregà seguem para as 'meias'

Liceo e Voltregà são os primeiros semifinalistas da Taça do Rei, defrontando-se no próximo sábado por um lugar na final.

Nos quartos-de-final, foram os galegos os primeiros a carimbarem a passagem, vencendo o Caldes por 7-2. Num jogo sempre controlado por "los verdes", o capitão Dava Torres surgiu oportuno a fazer o primeiro aos nove minutos, depois de um remate de meia distância de César Carballeira. Cerca de dois minutos depois, o próprio Carballeira conduzia e finalizava a uma só mão para um 2-0 de belo efeito. O jogo parecia pender definitivamente para a equipa de Juan Copa, mas Roger Presas apressou-se a reduzir de meia distância, mantendo alguma incerteza.

No entanto, sem colocar o pé a fundo, o Liceo resolveria. Ainda na primeira parte, Dava - com alguma distração do guardião Jordi Pons à mistura - teve um momento genial, levantando fora da área para rematar em raquete para o 3-1. E, já na segunda parte, mesmo desperdiçando um livre directo e a superioridade numérica depois de azul a Marcos Blanque, a equipa corunhesa ampliou logo de seguida, com Bruno di Benedetto a combinar bem com Arnau Canal para o 4-1 do catalão.

O Caldes também não seria eficaz de livre directo, mas a meia distância de Roger Presas voltou a reduzir. Presas foi figura, muito novo, no Vic de Ferran Pujalte, e internacional jovem espanhol. Mas andava perdido na OK Liga Plata, apesar de brilhar no SHUM. "Recuperado" esta época pelo Caldes, acabaria neste jogo por ter também protagonismo pela negativa.

Antes, já nos 10 minutos finais, Alex Rodriguez foi letal numa bola perdida na área adversária e o 5-2 decidia o vencedor. Depois, a cinco minutos do fim, o treinador Edu Candami perdia Marc González, por lesão num ombro, num lance que deu burburinho. O "liceal" Alex viu azul, Presas viu vermelho, numa decisão pouco salomónica e com algum exagero.

Estava tudo decidido. César Carballeira e Bruno Di Benedetto marcariam os seus segundos tentos no jogo para fechar as contas.

Voltregà heróico

Épico foi o apuramento do Voltregà, vencendo o Noia por 2-3.

Animado pelos incansáveis "Sac i Ganxo", a sua claque de apoio, o Voltregà entrou bem, na reedição de um duelo que valeu aos de Sant Hipólit o passaporte para esta Taça do Rei. Então, a equipa de Lluis Teixidó (que representou o Infante Sagres no início do século) vencera por 4-6 numa emocionante derradeira jornada da primeira volta. E agora não houve menos emoção.

Apesar de jogar solto e criar perigo, o Voltregà não conseguiu marcar e seria traído por azul a Humbert Serra a oito minutos e meio do intervalo, por falta sobre Kyllian Gil. Martí Gabarró não perdoou e fez o primeiro e, ainda antes do intervalo, Eloi Mitjans, num remate colocado fazia um 2-0 justificado pela sólida actuação da equipa de Pere Varias.

Na etapa complementar, o Noia tentava impor o seu controlo, mas os árbitros descortinaram uma falta (e azul) a Blai Roca e, aos cinco minutos, Gerard Teixidó reduzia de livre directo. O golo teve o condão de dar um alento adicional à equipa e um alento demasiado aos "Sac i Ganxo", que atrasaram o reatamento com o lançamento de papel para a pista.

Porém, no espírito guerreiro dos seus adeptos, o Voltregà foi à luta. Mais rápido sobre a bola, ainda que nem sempre com discernimento, forçariam a 10ª falta a pouco mais de 10 minutos do final, mas Aleix Molas não aproveitou, com Blai Roca a defender com a tranquilidade que aparentemente geria a equipa do Noia.

O Voltregà - que venceu a Taça do Rei em cinco ocasiões, mas não vence desde 1977 - procurou a igualdade, com várias oportunidades. Já nos últimos cinco minutos, a 10ª falta levou novamente Martí Gabarró para a marca de livre directo, mas, desta feita, o jogador de 21 anos cedido pelo Barcelona não conseguiu bater Miquel Estrada. Estava garantida emoção até final.

Pere Varias apostou então na experiência de Bargalló (43 anos), Costa (36), Mitjans (35) e Esteller (35), mas a sorte que talvez tantas vezes acompanhou estes craques, traiu-os... A dois minutos e meio, entre muitos ressaltos e desvios, o capitão Eric Vargas via-lhe atribuído um 2-2 que já era merecido. E, com meio minuto para o fim dos regulamentares 50 minutos, Mitjans viu azul por enganchamento a Vargas e Gerard Teixidó foi eficaz para selar a reviravolta.

Esta sexta-feira, disputam-se as outras duas partidas dos quartos-de-final. O Barcelona defronta o Igualada e, naquele que é visto como o jogo grande da eliminatória, o Reus tem pela frente o anfitrião Calafell.

Quartos-de-final

• QF1 • Liceo 7-2 Caldes • 2.Mar

• QF2 • Noia 2-3 Voltregà • 2.Mar

• QF3 • Barcelona vs. Igualada • 3.Mar, 18h

• QF4 • Reus vs. Calafell • 3.Mar, 20h30

Meias-finais

• MF1 • Liceo vs. Voltregà • 4.Mar, 18h30

• MF2 • Vencedor QF3 vs. Vencedor QF4 • 4.Mar, 21h

Final

Vencedor MF1 vs. Vencedor MF2 • 5.Mar, 12h30

AMGRoller

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
Entre Oliveirense e Óquei de Barcelos, afinal perderam os dois

Entre Oliveirense e Óquei de Barcelos, afinal perderam os dois

Quase um ano depois, o TAD pronunciou-se sobre o protesto do Óquei de Barcelos na derrota administrativa em Oliveira de Azeméis. Sem alterar a decisão sobre os barcelenses, é dada também derrota à Oliveirense. Mas sem efeito prático.

Aposta portuguesa para a prancheta do Trissino

Aposta portuguesa para a prancheta do Trissino

Pode ser quase como um 'conto de fadas'. O Trissino está apostado em garantir um treinador português para suceder a Alessandro Bertolucci na próxima época e o nome na mesa é o de Tiago Sousa, timoneiro da Sanjoanense.