Notícia

Entradas à moda do Porto

May 13, 2018

O Porto venceu o Sporting por 5-2 e carimbou a presença na 13ª decisão em absoluto da Liga Europeia, a terceira perante os seus adeptos.

O primeiro ataque e primeiro remate do jogo coube ao Sporting, mas o Porto não tardou em fazer vingar aquela intensidade que já esta temporada devastou, por exemplo, o Benfica, quer para a Liga Europeia, quer para o campeonato.

Hélder Nunes deu o mote com os dois primeiros golos, mas dar-se-ia "ao luxo" de desperdiçar três livres directos

Pressionando alto e atacando em alta rotação, o Porto chegou ao golo aos oito minutos, num remate cruzado da esquerda, com Girão - tapado na sua área restrita - a protestar com a dupla de arbitragem espanhola. O guarda-redes internacional português voltaria a ter motivos para protestar menos de meio minuto depois, mas desta feita com a cobertura defensiva dos seus colegas. Após lance individual de Gonçalo Alves, a bola sobrou e Hélder Nunes surgiu no sítio certo para rematar para o segundo.

Gonçalo Alves fez de grande penalidade o 3-0 que colocou "travão" no ímpeto dos dragões

Paulo Freitas pediu um desconto de tempo e lançou Caio para o lugar de Pedro Gil, possivelmente a pensar em segurar a bola e não permitir o sufocante ataque do Porto, mas, pouco depois, de grande penalidade, Gonçalo Alves fechava os primeiros 12 minutos de jogo com um 3-0 que alteraria o cariz do jogo.

Ainda na ressaca daquela primeira fase de jogo, Hélder Nunes teve oportunidade de ampliar a vantagem de livre directo, depois de azul a João Pinto, mas Girão ganhou o duelo. E o Sporting controlou bem em desvantagem numérica, antes do Porto entrar num modo mais de expectativa.

Toni Perez apontou os dois tentos dos leões

Com o conforto da vantagem adquirida, o Porto permitiu que o Sporting se acercasse com mais perigo da baliza à guarda de Carles Grau, muito pela irrequietude que Font e Toni Perez trouxeram ao jogo. Em particular o asturiano. Toni Perez ganhou a 10ª falta que, a quatro minutos do intervalo, levou Font para a marca de livre directo - fez quase tudo bem, mas o "chapéu" saiu à barra num duelo que já tivera capítulos nos treinos do Vic - e, um minuto volvido, após um ataque rápido, reduziu para o 3-1 com que se chegaria ao intervalo. Isto porque, na 10ª falta leonina, Girão voltou a levar a melhor frente a Hélder Nunes.

Girão negou por três vezes o golo de livre directo ao habitualmente letal Hélder Nunes

O golo leonino deu o mote para uma segunda parte em que os leões atacaram mais, mas esbarraram ora nos ferros, ora na férrea exibição de Carles Grau. Aos sete minutos, Caio não conseguiu melhor que Font e desperdiçou o livre directo da 15ª falta leonina. Num jogo com muitas faltas, só um marcaria de livre directo... mas lá mais para a frente. Antes, a dez minutos do final, Girão completou um hat-trick de "negas" aos intentos de Hélder Nunes.

Grau esteve em destaque no período de maior assédio leonino

Contrariando o provérbio, o Sporting porfiava, mas tardava em alcançar. E o passar dos minutos não ajudava em nada os leões. À entrada dos seis minutos finais, a tarefa ficou definitivamente comprometida. Em contra-ataque, Ton Baliu bateu Ângelo Girão e fez um 4-1 e, no mesmo minuto, Font viu o azul. Cabestany não apostou em Hélder Nunes para o livre directo e trocou as voltas a Girão. E Rafa também, fazendo o 5-1 que matava em definitivo o jogo.

Rafa matou o jogo de livre directo

Toni Perez, o rebelde asturiano, ainda reduziu. E, no derradeiro minuto, Pedro Gil, na 20ª falta azul-e-branca, ainda dispôs de um livre para atenuar mais a vitória dos dragões, mas o resultado final estava fixado.

O Porto avançava assim para a final, que se joga este domingo, a partir das 12h30. O Porto defronta o Barcelona, que venceria o Reus por 2-4 na outra meia-final.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade