Notícia

Aveiro entra na 'guerra' visando delegados aos jogos

Mar 19, 2021

A Associação de Patinagem de Aveiro publicou uma carta aberta dirigida ao Conselho de Arbitragem e à FPP em que visa as actuações dos árbitros, mas, principalmente, de quem os avalia. #PrimeiraDivisão #Arbitragem

Em carta aberta (que transcrevemos abaixo na íntegra) datada de passada quarta-feira e dirigida a Orlando Panza, presidente do Conselho de Arbitragem, e Luís Sénica, presidente da Direcção da FPP, a Associação de Patinagem de Aveiro visa a (decrescente) qualidade dos árbitros e, principalmente, a actuação - e atribuição de notas - dos delegados aos jogos.

Se a crítica cai na generalidade nas actuações dos árbitros, Aveiro vai mais longe, questionando quem os avalia. "Após sucessivas e sempre prejudiciais decisões em jogos em que interveio a União Desportiva Oliveirense, esta época e em anteriores, as arbitragens em causa tiveram as melhores classificações no ranking dos árbitros nacionais, sendo evidentes os erros e públicos, questiona-se que classificações obtiveram nos jogos em causa, atribuídos pelos delegados aos jogos".

Para Aveiro, "existem árbitros cujo comportamento agressivo, indisciplinado e sem respeito pelos intervenientes, se julgam acima de tudo e de todos, porque infelizmente ninguém os incomoda". Sublinhando que terá chegado a hora de "começar a ser incómoda", a Associação de que fazem parte, por exemplo, Oliveirense e Sanjoanense, aponta mesmo o dedo à actuação de Ricardo Leão (apesar de, por lapso, nomear "Rafael Leão") na recente deslocação da equipa de Oliveira de Azeméis a Turquel, que já motivara um comunicado, não duvidando que "o relatório do Delegado ao Jogo, do Sr. José Lopes, atribuiu ou atribuirá uma nota próxima da perfeição ao árbitro em causa, sem evidenciar o ocorrido no Relatório do Jogo".

Para Aveiro, as notas atribuídas vão permitindo a alguns árbitros manterem-se no topo das classificações e pede que esse critério de "qualidade" não seja considerado nas nomeações para "jogos em que intervenham equipas de Aveiro ou as suas Seleções".

A carta aberta

Ex.mo Sr. Presidente do Conselho de Arbitragem da Federação de Patinagem de Portugal

Orlando Panza

Ex.mo Sr. Presidente da Direção da Federação de Patinagem de Portugal

Luís Sénica 

Oliveira de Azeméis, 17 de março de 2021

Ex.mos Senhores

Lamentamos ter que vir a público falar sobre a arbitragem nacional, mas os factos que nas últimas épocas têm vindo a acontecer a isso nos levam.

A qualidade dos árbitros nacionais de hóquei em patins é, em média, muito boa, tendo vindo a baixar a qualidade nestas épocas mais próximas, em contraciclo com a qualidade dos jogadores que se encontram a disputar, em especial, o campeonato nacional da 1.ª Divisão de hóquei em patins.

Há necessidade de se pensar no que se encontra a acontecer para que essa qualidade das decisões tomadas em jogo tenha vindo a criar tantos conflitos e tanta discussão pública.

A nossa humilde opinião é que o problema não está só nos árbitros, mas sim e principalmente nos delegados aos jogos que perante os erros e as tomadas de decisão face aos acontecimentos no jogo, em que são detetadas falhas ou erros de decisão dos árbitros não têm repercussão no relatório do delegado ao jogo e consequentemente a classificação atribuída, permite a muitos, estarem na primeira linha dos árbitros nacionais.

Há necessidade urgente de acabar com estas situações que em nada contribuem para o desenvolvimento desportivo e para a afirmação da modalidade, bem pelo contrário, destabilizam e desmoralizam os que andam no desporto pelo desporto e sem interesses secundários para além do que é a salutar disputa desportiva.

A Associação de Patinagem de Aveiro, tem visto nestes últimos anos, erros e decisões de arbitragem que têm penalizado as suas equipas.

Chegou a hora de dar um murro na mesa e chamar à liça os responsáveis do hóquei em patins, pois a seguir este caminho, não iremos ter um final feliz.

Após sucessivas e sempre prejudiciais decisões em jogos em que interveio a União Desportiva Oliveirense, esta época e em anteriores, as arbitragens em causa tiveram as melhores classificações no ranking dos árbitros nacionais, sendo evidentes os erros e públicos, questiona-se que classificações obtiveram nos jogos em causa, atribuídos pelos delegados aos jogos.

Existem árbitros cujo comportamento agressivo, indisciplinado e sem respeito pelos intervenientes, se julgam acima de tudo e de todos, porque infelizmente ninguém os incomoda.

Chegou, talvez, a hora da Associação de Patinagem de Aveiro começar a ser incómoda sobre esta matéria, uma vez que lutamos por um desporto saudável, honesto, justo e disciplinado.

Não se pode brincar com o esforço, empenho e competência dos atletas e dirigentes desportivos, que com tantas dificuldades mantêm a modalidade no topo mundial.

A situação vivida no jogo entre o Turquel e a UDO vem mais uma vez trazer à discussão as decisões tomadas no decurso dos jogos pelos árbitros, as quais evidenciam a impunidade que acima se refere.

A UDO já tornou público os factos ocorridos e não vamos aqui estar a reproduzi-los novamente, mas a forma como tudo se desenrolou vem demonstrar o que atrás dissemos, no comportamento do segundo árbitro Sr. Rafael Leão.

Certamente o relatório do Delegado ao Jogo, do Sr. José Lopes, atribuiu ou atribuirá uma nota próxima da perfeição ao árbitro em causa, sem evidenciar o ocorrido no Relatório do Jogo.

Infelizmente, a Associação de Patinagem de Aveiro, sofreu consequências desportivas em jogos da sua Seleção de sub-15 e várias equipas de Aveiro têm sofrido, também elas, algumas decisões de arbitragem que as têm penalizado, estando em causa, a mesma figura da arbitragem.

Por tal, entendemos, que para o bem da modalidade e do desporto, devemos dispensar a “qualidade” do árbitro em questão em jogos em que intervenham equipas de Aveiro ou as suas Seleções.

Entendemos que o Conselho de Arbitragem tomou posse há relativamente pouco tempo e numa situação de pandemia, condicionando o seu trabalho e ação, mas começa a ser necessário tomar medidas urgentes que reponham a nossa arbitragem no topo.

É público que independentemente de sermos ou não finalistas em provas internacionais, temos perdido a primazia de arbitrar os jogos mais importantes das provas internacionais, tendo sido ultrapassados pelos Espanhóis, Italianos e Argentinos.

Aproveitamos a oportunidade, para publicamente manifestar o nosso apoio à Direção da FPP e ao Conselho de Arbitragem, como o temos feito, mas chegou a hora de virar a página e de começar a arrumar a casa, ou pelo menos, limpá-la, podendo contar para isso com a Associação de Patinagem de Aveiro.

Com os melhores cumprimentos.

A Direção da APA.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade