Notícia

A sexta vida da 'Pareja de Oro'

Jul 10, 2022

Juntos na selecção, no Lloret, no Vic, no Barcelona, no Benfica e, na próxima época, na Oliveirense. Seis anos depois, aos 37, Marc Torra e Jordi Adroher voltarão a juntar-se para reeditar uma dupla de atributos técnicos temíveis. #Mercado #PrimeiraDivisão

Ganharam o epíteto num Mundial de Sub-20, ainda não oficial, jogado em 2002 no Chile. Marc Torra e Jordi Adroher brilharam e o seu Hóquei em Patins de excelência, sendo apelidados de "la pareja de oro". O duo de ouro.

Nesse mesmo ano, coincidiram no Lloret e ali conquistaram o seu espaço entre os "mais crescidos" até 2006, mudando-se para um Vic de maiores ambições. Em 2009, às ordens de Ferran Pujalte conquistariam a Taça do Rei. Adroher, "el Mago" (como um dia Luís Velasco o chamou, para uma alcunha merecidamente perpetuada), seguiu desde logo para Barcelona. Marc Torra chegou um ano mais tarde para uma temporada de blaugrana que foi muito atípica. O Reus foi campeão em Espanha e o Liceo ganhou a Liga Europeia. Adroher saiu, Torra ficou para muitas conquistas.

Voltaria a encontrar-se, já com um estatuto estelar consolidado, para um Benfica que, às ordens de Pedro Nunes, muitos apontam como o melhor de sempre. As águias venceriam o Campeonato Nacional e a Liga Europeia, mas não haveria continuidade. Torra saiu e - também, mas não apenas por isso - o Benfica não voltou a ganhar um grande título.

O natural de Tordera esteve dois anos em Reus antes de assentar em Oliveira de Azeméis. Pelos "rojinegros", no primeiro ano, conquistaria a Liga Europeia, a quarta consecutiva (por três equipas diferentes) do seu pecúlio pessoal. Adroher completaria cinco temporadas no Benfica até que, em 2020, foi alvo de uma estranha dispensa. Rumou ao Liceo, onde mostrou o valor que lhe era reconhecido e, em duas temporadas, ajudou a quebrar o mito de invencibilidade blaugrana. Consagrado campeão espanhol, regressa agora a Portugal para uma Oliveirense que já o sondara no passado, reencontrando Torra.

Na Oliveirense, chega Jordi Adroher, saem "Tato" Ferruccio, que reforçará o Tomar, e o guarda-redes Nelson Filipe, para o Braga. Não são, para já, conhecidas mais mudanças.

Marc Torra e Jordi Adroher completam 38 anos em, respectivamente, Setembro e Novembro. As qualidades técnicas são inegáveis, aliando-lhes uma experiência que não tem comparação no plantel oliveirense. Para além dos títulos no Vic e no Benfica, juntos conseguiram um Campeonato do Mundo (2009) e um Campeonato da Europa (2010) pela Espanha. E, "separados", conseguiriam outros cinco mundiais (Torra em 2005, 2007 e 2011 e Adroher em 2013 e 2017) e outros três europeus (Torra em 2008 e Adroher em 2012 e 2018).

O desafio na Oliveirense - que Marc Torra agora capitaneia - será, para além de tentar ir o mais longe possível na nova Liga dos Campeões (caso não haja novo boicote das equipas da EHCA), em primeira análise, melhorar o 5º lugar na fase regular alcançado nas duas últimas épocas. O 5º lugar implicou não ter "factor casa" nuns quartos-de-final que são jogados apenas à melhor de três e a Oliveirense seria afastada pelo Benfica em 2021 e pelo Óquei de Barcelos em 2022.

Sobrepôr-se-á a qualidade e experiência ao inevitável passar dos anos?

Acompanhe esta e outras transferências deste defeso nos principais campeonatos aqui.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade