«Vir a San Juan é bonito, mas no Aldo Cantoni será muito mais bonito»

Tiago Barros chegou a San Juan no realizar de um sonho que o moveu nos últimos anos. De vida mudada para Andorra, integra a selecção do principado no Campeonato Intercontinental, aspirando a pisar o Aldo Cantoni.

«Vir a San Juan é bonito, mas no Aldo Cantoni será muito mais bonito»

Em 2017, com apenas 26 anos, Tiago Barros deixava o Hóquei em Patins. Numa outra vida, porque há vida para além da modalidade, emigrou para Andorra. Ali, quando a pandemia cancelou as competições, teve oportunidade de regressar, recreativamente, às pistas. Mas não tardou a ser convidado para integrar a equipa principal.

Havia a possibilidade de vir a integrar a selecção andorrana no Campeonato do Mundo, previsto para o palco de eleição, o teatro de todos os sonhos que é San Juan. E os sonhos movem os Homens que os querem concretizar.

Para conciliar com os treinos e os jogos, Tiago trabalhou num supermercado, na construção, em hotelaria. Integrado nos trabalhos às ordens do seleccionador Manel Rubio, sofreu um rude golpe quando foi preterido na lista inicial. Mas algures estava escrito que o português participaria mesmo neste Mundial e veria o seu esforço recompensado. Por "linhas tortas", os irmãos Gerard (capitão da selecção) e Llorenç Miquel abdicaram da participação e abriram espaço para a chamada de Tiago.

Aos 31 anos, Tiago Barros chegou a San Juan com a braçadeira do amigo Ivo Silva, capitão do Tomar, como talismã. Quer agora pisar o palco do monumental Aldo Cantoni. "Melhor, só se fosse no Pavilhão da Embra", graceja, aludindo ao seu Marinhense onde agora, curiosamente, joga o seu guarda-redes na selecção, Carlos De Sousa.

Andorra participará no "Campeonato Internacional", uma espécie de 2ª divisão. Mas, se ficar em 1º no seu grupo - onde terá Austrália, Alemanha e Áustria como adversários -, tem a oportunidade de disputar uma "poule" por um lugar na disputa do título. Defrontaria, já no Aldo Cantoni, o 4º do grupo B do Mundial (Argentina, Espanha, Angola ou Moçambique) e, quem levar a melhor, estará nos quartos-de-final frente ao vencedor do grupo A do Mundial (Portugal, França, Itália ou Chile).

AMGRoller

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
A primeira final entre Argentina e Itália

A primeira final entre Argentina e Itália

O Mundial de Sub-19 terá uma inédita final entre Itália e Argentina, na primeira vez em que nenhuma selecção ibérica marca presença na decisão. As entradas de Portugal nas duas partes relegaram-na, novamente, 'apenas' para a luta pelo bronze.