Notícia

Confronto de 'fratellos'

Oct 29, 2016

Fotos: Mário Rodrigues (facebook)

Fotos: Diogo Neves (facebook)

Este sábado, Follonica e Bassano defrontam-se, ainda que com jogos em atraso, para a quinta jornada do campeonato italiano. O duelo entre os actuais quarto e sétimo classificados da Legahockey encerra em si o atractivo de pôr em confronto dois jogadores portugueses.

Este não é o primeiro confronto entre jogadores portugueses esta época. Na jornada inaugural, o Follonica de Marinho empatou a quatro em Cremona, frente à equipa de Sérgio Silva. Marinho marcou por duas vezes e Sérgio Silva uma.

«O Follonica só pensa na vitória, em todos os jogos»

Mário Rodrigues, "Marinho", começou agora o seu segundo ano em terras transalpinas. "Estou completamente integrado nas rotinas do clube e na cultura Italiana, principalmente da cidade de Follonica", refere. "Só tenho a agradecer ao clube, que me proporciona as melhores condições no dia-a-dia, o que ajuda a uma fácil integração", destaca.

O Follonica soma, em três jogos, uma vitória e dois empates."Iniciámos bem. Queríamos vitórias nos três jogos, mas, por várias razões, não foram possíveis", lamenta, ressalvando as dificuldades prévias nos empates obtidos. "Jogámos duas partidas fora, com equipas que se reforçaram muito [ndr: Cremona e Sarzana] e lográmos não perder", frisa, num arranque com poucos golos marcados pela equipa agora orientada por Federico Paghi, "apenas" oitavo melhor ataque do campeonato. "São apenas números", desvaloriza. "Mas a equipa está motivada e com vontade de fazer melhor", revela.

Este sábado, o Follonica recebe o Bassano. "Será uma partida muito difícil, um dérbi do hóquei italiano, contra mais uma equipa que se reforçou muito e bem", analisa. Um jogo difícil, mas para vencer. "O Follonica só pensa na vitória em todos os jogos e, em nossa casa, queremos conquistar mais três pontos para reforçar este bom arranque", declara.

No defeso, as saídas de Pedro Gil e Pablo Cancela no Forte dei Marmi, tornaram o lote de claros favoritos ao título mais vasto. "Na minha opinião, há três equipas que se podem assumir como candidatas ao 'scudetto': Lodi, Forte dei Marmi e Viareggio", escrutina Marinho, alargando a análise a um segundo grupo. "Há três ou quatro equipas - Follonica, Breganze, Bassano, Valdagno, ... - que, conforme o posicionamento para o playoff, podem conseguir algo, até porque este campeonato é muito equilibrado. Pode-se vencer ou perder em qualquer jogo", saliente.

A nível pessoal, o quarto melhor marcador da pretérita fase regular, não aponta marcas. "Os golos são importantes para mim e para a equipa. Eu procuro sempre melhorar e, embora o ano passado tenha feito muitos golos, este ano vou procurar fazer ainda mais, para ajudar a equipa nos objetivos propostos", almeja.

Marinho é internacional por Moçambique, tendo estado presente nos Mundiais de 2011 (San Juan), 2013 (Angola) e 2015 (La Vendée). No próximo ano, o Campeonato do Mundo é na China. "Trabalho todos os dias para melhorar, para ser melhor no futuro. E, se no futuro, está o Mundial na China, quero chegar lá na minha máxima forma para poder ajudar a seleção de Moçambique", ambiciona.

Voltando ao jogo deste sábado, para o campeonato transalpino, Marinho vai ter como adversário Diogo Neves. Os dois jogadores representaram o Sporting na mesma altura. "Joguei apenas com o irmão dele [ndr: Bernardo Neves] vários anos. O Diogo treinou comigo várias vezes e até fizemos um jogo quando ele foi chamado aos séniores no Sporting", recorda.

No seu segundo ano, Marinho tenta que Diogo Neves seja feliz nesta fase do seu percurso. "Acredito que poderá singrar e o Bassano parece ser o clube ideal para ele", explica. "Falo com ele diariamente e procuro que ele se integre a 100% na Série A. Quero o melhor para ele porque somos amigos fora do hóquei, tal como as nossas famílias", explica.

Para além de Sérgio Silva, Marinho e Diogo Neves, há outro português - e em destaque - na Legahockey: Nuno Resende é o treinador do Lodi, um dos líderes da classificação, só com vitórias.

«Podemos fazer um grande campeonato»

"Este jogo é, desde logo, um jogo especial para mim, por jogar contra um amigo e antigo colega de clube", frisa desde logo Diogo Neves.

Com três jogos realizados, o Bassano já experimentou de tudo. Uma vitória, um empate e uma derrota, com tantos golos marcados (12) como sofridos, deixam os giallorosso a meio da tabela. "O objetivo estipulado é ficar nos oito primeiros, apesar de, a meu ver, termos valor e qualidade para sonhar mais alto", confidencia. "Defrontámos o Lodi, que para mim é uma das melhores equipas do campeonato, e não fomos inferiores em nenhum aspecto, apesar da derrota", relembra. "Pelo que já vi também das outras equipas, estou bastante confiante e com grandes expectativas para esta temporada", declara. "Podemos fazer um grande campeonato", auspicia o jogador cedido pelo Benfica.

O próximo desafio é com o Follonica. "Será uma deslocação complicada, a uma pista extremamente difícil, contra um boa equipa, mas penso que temos todas as condições para ganhar", prognostica. "Vamos a Follonica com o intuito de fazer o nosso melhor e garantir os três pontos", afirma sem rodeios.

No defeso de 2015/16, Diogo Neves rumou à Catalunha. Neste de 2016/17, mudou-se para o Norte de Itália. "Estou a adaptar-me muito bem, talvez devido ao facto deste não ser o primeiro ano que estou a jogar fora de casa", afirma, até porque a recepção não podia ter sido melhor. "Fui muito bem recebido pelo clube e também pelos adeptos, o que facilitou bastante", sublinha. "Estou a adorar. A cidade é lindíssima e sinto-me muito bem aqui", reforça.

Outra questão nas mudanças para Espanha - e, em particular, para a Catalunha - e agora para a Itália, prende-se com a língua. Mas também essa mudança está a ser mais fácil. "Tive muito mais dificuldade com o catalão do que estou a ter com o italiano", recorda, perspectivando já mais um idioma num raciocínio já poliglota. "Se num ano saí da Catalunha a falar catalão fluente, penso que em menos de seis meses falo italiano", garante.

Desportivamente, o Bassano tem uma dimensão que o SHUM, na "aventura" de Diogo na OK Liga, não tinha. "Só fiquei totalmente ciente da dimensão do clube quando cheguei", admite. "É um clube extremamente profissional, mas existe um espírito de grupo espectacular dentro da equipa", assegura. Tudo ingredientes para mais uma etapa de sucesso no percurso do campeão do Mundo de Sub-20 de 2013.

O jogo entre Follonica e Bassano está agendado para as 19h45 de Portugal continental.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade