Final à portuguesa: o melhor 'prato' do Mundo

A final do Mundial deverá contar com nada menos que 17 jogadores que jogam o campeonato português, a fazer jus ao epíteto de melhor do Mundo. E, entre os possíveis chamados, até há mais argentinos do Campeonato PLACARD que portugueses.

Final à portuguesa: o melhor 'prato' do Mundo

Se houvesse um "All Star" no campeonato português, poderia ser o que se vai jogar em San Juan. Mesmo ficando de fora muito talento português e argentino, mas também espanhol, francês e italiano que evolui no principal campeonato deste rectângulo à beira mar plantado e de todo o Mundo do Hóquei em Patins.

Com a lesão de Matias Pascual, é provável que seja chamado Facundo Bridge, que tão boa conta do recado deu frente a Moçambique e Chile. E, assim, haverá 17 jogadores que evoluem no Campeonato PLACARD em 20 possíveis. Curiosamente, mais argentinos (nove) do que portugueses (oito).

Da selecção portuguesa jogam "longe de casa" João Rodrigues e Hélder Nunes, no Barcelona. Dos argentinos que devem subir ao palco, apenas joga além-fronteiras portuguesas o guarda-redes Valentin Grimalt, desde 2018 nos italianos do Lodi.

Depois, há desde logo dois conjuntos de cinco jogadores que dariam grandes jogos, como de resto se viu nas meias-finais do último campeonato. Carlos Nicolia, Diogo Rafael, Lucas Ordoñez, Pablo Alvarez e Pedro Henriques são os representantes do Benfica na final, ao passo que Ângelo Girão, Gonzalo Romero, Henrique Magalhães, João Souto e Matias Platero são do rival Sporting. Nas selecções, baralha-se e volta-se a dar, separando os cinco argentinos e os cinco portugueses.

Do Porto, há quatro representantes - com o argentino Ezequiel Mena e os portugueses Gonçalo Alves, Rafa e Telmo Pinto - mas nem só dos ditos "grandes" viverá esta final. No lado argentino, estarão também Lucas Martinez, da Oliveirense, Conti Acevedo, do Óquei de Barcelos, e Facundo Bridge, do Valongo.

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
A demanda por um (raríssimo) pleno Mundial

A demanda por um (raríssimo) pleno Mundial

Depois de ter perdido as três finais em Barcelona, a Argentina já venceu duas em San Juan e procura o pleno Mundial. Só a Espanha conseguiu ter em seu poder os três títulos das três categorias com Mundiais.

Tira-teimas em San Juan

Tira-teimas em San Juan

A partir das 23h30 sobem ao majestoso palco do Aldo Cantoni a arte de 'defender a atacar' e de 'atacar a defender'. Perspectiva-se um encaixe de vontades tácticas, como aconteceu em Barcelona, agora na terceira final entre Argentina e Portugal.

«Pedimos que este domingo o 'estádio' esteja a rebentar»

«Pedimos que este domingo o 'estádio' esteja a rebentar»

Num conferência de imprensa marcada pelo infortúnio de Matías Pascual, a Argentina pede um Aldo Cantoni cheio, a 'rebentar' para corrigir o que se passou em Barcelona. Alex Bertolucci diz-se orgulhoso da sua equipa.

«Tivemos inteligência táctica e uma gestão física perfeita»

«Tivemos inteligência táctica e uma gestão física perfeita»

Foi um jogo praticamente perfeito da selecção das quinas no objectivo de Portugal chegar à final, reconhecido pelo próprio Renato Garrido e pelo seleccionar gaulês Fabien Savreux. Será também a receita para a final que se segue.

Argentina reclama a coroa

Argentina reclama a coroa

A Argentina é a nova campeã do Mundo de Seniores Femininos, destronando a tricampeã Espanha. Perante um Aldo Cantoni repleto, as argentinas ganharam por 3-0 e arrecadam o sexto título mundial.

Portugal de bronze no feminino

Portugal de bronze no feminino

Portugal conquistou a sua sexta medalha em 16 Mundiais ao vencer a Itália pelo bronze por 0-3. Inês Severino esteve em destaque ao apontar os três golos da selecção das quinas.