Benfica perde no TAD

No esgrimir legal entre a FPP e os velhos rivais de Lisboa sobre um dérbi 'durinho', o Sporting 'ganhou' mostrando o óbvio erro processual do Conselho de Disciplina. O Benfica 'perdeu' porque se apresentou como lesado.

Benfica perde no TAD

Numa semana marcada pelas acusações portuguesas de agressões sem castigo de alguns jogadores da selecção argentina, é conhecido mais um capítulo de um jogo que, no campeonato português, preencheu espaço televisivo nos noticiários. Escapando ao olhar dos árbitros dessa partida, Ferran Font, João Souto, Pedro Henriques e Edu Lamas foram posteriormente condenados "sumariamente", sem os necessários processo e averiguações quando não há um vermelho que sustente o castigo.

Font (três jogos) e Souto (dois jogos) foram "ilibados" e, no que o Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) alegou relativamente a um óbvio e incompreensível erro do Conselho de Disciplina, pareceria que os processos de Pedro Henriques e Edu Lamas teriam o mesmo fim.

No entanto, no "contra-ataque" (recurso), o Benfica preparou mal a "jogada" (processo) e a Federação de Patinagem de Portugal estava atenta e recuperou a "posse de bola" (razão).

"O clube que tem ao serviço um jogador a quem foi aplicada uma sanção disciplinar não tem legitimidade para a impugnar, pois não tem um interesse direto, não sendo relevante um mero interesse indireto, reflexo ou mediato", pode ler-se na decisão do TAD.

De facto, enquanto os recursos dos castigos dos jogadores do Sporting foram apresentados em nome dos próprios, o Benfica recorreu de um castigo que não era seu, apresentando-se como lesado. E, segundo o TAD, não é.

"A modalidade de Hóquei em Patins é uma modalidade amadora, ao contrário do que é afirmado no requerimento inicial (no capítulo do Procedimento Cautelar), pelo que, os interesses lesados são os do atleta, que se vê suspenso por 2 jogos oficiais", consta, sendo que em causa está o recurso do castigo de Edu Lamas. Ou seja, o Benfica não tinha legitimidade para apresentar recurso e, quando envolveu Edu Lamas, já era tarde, pois a impugnação por parte do jogador deveria ter acontecido até 17 de Junho.

Assim, o internacional espanhol deverá ter mesmo de cumprir o castigo de dois jogos, e o internacional português Pedro Henriques, cuja decisão do recurso ainda não foi publicada, enfrentará um castigo de três partidas.

Desistência de processo

Entretanto, o Benfica desistiu de um outro processo que tinha a correr no TAD. Em causa estava o castigo de dois jogos a Carlos Nicolia depois da expulsão no jogo 4 da final do play-off do Campeonato Nacional da I Divisão.

O agora campeão do Mundo em título cumpriu o castigo no quinto jogo da final e no primeiro jogo da Elite Cup, já na nova época, e, sem hipótese de "recuperação" desportiva da sua ausência, o Benfica desistiu do processo, assumindo as despesas devidas.

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
Tudo isto é fado

Tudo isto é fado

No rescaldo da final, João Rodrigues e Hélder Nunes lamentaram uma organização caseira, com 'atitudes vergonhosas' ao longo da semana, e arbitragens a ignorarem jogo violento e agressões dos argentinos.

«Esta medalha é um reconhecimento da dedicação delas»

«Esta medalha é um reconhecimento da dedicação delas»

A medalha conseguida é, para Hélder Antunes, um reconhecimento do esforço das suas atletas. Sofia Moncóvio lamenta que em Portugal não seja viável, a partir de um certo ponto, conciliar a paixão do desporto. A Itália repetiu o 4º lugar.